quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Iya Ori nunca existiu, Orunmila? 





Autor:Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Durante todos esses anos eu já ouvi tantas inverdades, crendices e lendas que não me admiro ver tantas novidades em nossa religião.

Sobre Iya Ori então, eu fico impressionado como isso foi divulgado. Dizer que Iya Ori (Yemonja) ou qualquer Orisa que tenha esse título seja a dona de todas as cabeças... é de deixar  pensando o porquê de tanta desinformação.

A divindade que é considerada como “aquela que molda as cabeças”, é o Orisa Ajala, e a que habita as cabeças, se é que podemos dizer assim, para facilitar o entendimento das pessoas iniciadas recentemente ou leigas, é Ori.
Eu cultuo Yemonja e considero um belíssimo Orisa, mas daí atribuir a essa linda divindade algo que não é verdade, não faz parte de nossa forma de ver a religião
.
Sobre o bori então... eu fico impressionado com alguns procedimentos. Oferecer peixe e canjica para todas as cabeças é um atestado de incompetência comum aos supostos sacerdotes.
Se o Ori esta ligado ao odu, e existe 256 odus diferentes, a grosso modo, teríamos no mínimo 256 tipos de bori. Mas a verdade é que esse procedimento não segue nenhuma regra e sim, uma orientação de Ifa ocasional.

Dependendo da consulta feita ao jogo, pode sim ser orientado um bori àquela pessoa em um determinado momento. Os componentes do mesmo seguem uma orientação pessoal e específica diante daquela circunstância.

Cada pessoa em um determinado momento da vida necessita de um tipo de bori que supra as suas carências, é responsabilidade do sacerdote identificar as mesmas com precisão.
Podemos citar um exemplo: quando a pessoa precisa de um novo caminho na vida profissional, nesse tipo de bori, devem existir elementos ligados ao Orisa Ogun. Essa regra pode ser usada como forma de identificar as comidas, e outras substâncias a serem usadas no ritual.

ODU OGUNDA MEJI


Ori, eu te saúdo!
Aquele que é sábio,
Foi feito sábio pelo próprio Ori.
Aquele que é tolo,
Foi feito mais tolo que um pedaço de inhame,
Pelo próprio Ori!
Seria muito importante que todas as pessoas tivessem acesso a literaturas que indicam os procedimentos a serem seguidos em nossa religião. Infelizmente isso não é possível, sendo assim, vamos tentar contribuir com algumas informações, sem querer ser o dono da verdade, mas também não compactuando com essa total falta de informação existente.

Todo Ori, embora criado bom, acha-se sujeito a mudanças; a própria conduta do homem pode transformar negativamente os pré-requisitos de nossa existência por nós escolhidos diante de Ajala.

5 Comentários:

Às 27 de março de 2011 15:19 , Anonymous Luiz disse...

Segundo Abimbola, o orí criado por Ajala é fictício, simbolo do destino do homem, e Ajala, ainda segundo Abimbola, nem mesmo é considerado Orixá. Assim, o ori de Ajala seria um ori (destino).

O mito da criação relata que o Ori (cabeça) é criado por Obatala.

 
Às 24 de junho de 2011 20:11 , Anonymous Èsù Akèsan disse...

Primeiramente que Bàbálorì e Ìyálorì são títulos sim dados aqueles que são os responsaveis por moldar, modelar, criar gerar o Orì mando de Olórùn. Concordo que Orì é uma Divindade, que vejo, como uma divindade interior tanto que Orì Ode é o nosso crâncio, onde se encontra o nosso cérebo, sistema nervoso e etc...Onde habita o Orì Inù que ao meu ver nada mais é que a nosso interior , a nossa alma. Dizer que são donos da cabeça, nada mais é que um termo ao meu ver singelo que traduz o real sentido desdes títulos...Pai da Cabeça e Mãe da Cabeça, responsaveis por modelar...segundo as lendas os sseres humanos antes de Olórùn dar seu sopro divino...é apenas uma opnião e espero conversarmos mais...abraça...Agora como disse o Luiz...lembro que há lendas que relatam Ajalà como o criador de cabeças, outras Obatalá e algumas dão a entender que tanto Obatalá quanto Ajalà são o mesmo....abraços

 
Às 24 de junho de 2011 21:20 , Anonymous Èsù Akèsan disse...

COrrigindo...cérebro...kakaka...eu estava animado para escrever...Irmão parabéns pelo seu blog...muito axé e vou seguir....Parabéns de coração

 
Às 23 de janeiro de 2013 20:07 , Anonymous wollwerine21 disse...

Concordo com a resposta dada ao texto, também acredito que Ori seja apenas uma metáfora dada a nossa individualidade, ao nosso livre-arbítrio e a nossa essência pessoal. Por isso nos versos do Ifá Ori é exaltado como estando acima de qualquer Orixá. Da mesma forma considero Ajala como um título dado ao próprio Obatalá.
Quanto a Babá Ori e Iyá Ori, representados no Brasil nas figuras de Oxalá e Iemanjá talvez seja uma reverência a nossa ancestralidade, tão importante em todos os momentos rituais.

 
Às 21 de agosto de 2013 17:46 , Anonymous Anônimo disse...

Uma pergunta: Foi feito um Bori em setembro de 2012, não querendo mais , posso me desfazer dos meus pertences como, a quartinha e a vasilha ? Como e de que maneira?


 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial