terça-feira, 28 de junho de 2011



Tem mais caciques que índios, Ifá e orixa.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Quem já não ouviu essa  expressão em meio a nossa religião,em São Paulo,com uma pessoa iniciada ifá,tive a oportunidade de conversar sobre isso,e ela me disse que acreditava que qualquer pessoa pode ser um sacerdote de ifá,que é só ter dinheiro e ser iniciado.

Bem esse mesmo equívoco aconteceu durante anos nos cultos a Orisá no Brasil, muitas pessoas por vaidade, ambição ou ignorância, também acreditaram que todos nascem para ser sacerdote.

Então gostaria de perguntar, nas outras religiões não existe adeptos, somente existe a figura do líder religioso?

Se você for a uma igreja, de qualquer outra religião, você vai ver um líder e vários seguidores, na nossa religião, você vai ver um líder e um grupo enorme de pretensos lideres, gravitando à volta, aguardando uma oportunidade de ascender ao poder.

Porque isso se tornou muito comum com o passar do tempo (ter mais caciques do que índios), seria ambição, desinformação ou ganância?

 Existe uma grande parte de pessoas que foram instruídos errados e que acreditam que tudo pode ser assim, como esse meu amigo de São Paulo, que o dinheiro compra o cargo.
Texto: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Na verdade no caso dos iniciados em Ifá, isso é bem diferente do que é propagado, alguns odus indicam a possibilidade que aquela pessoa iniciada se torne um sacerdote no futuro.

Um exemplo clássico, seria alguns odus mejis, que quando de em  uma primeira consulta  em opelé ifá com um Babalawo, certamente confirmam a necessidade de uma iniciação ao sacerdócio.

No culto aos Orisás é exatamente isso, existe alguns odus que identificam claramente a necessidade de uma iniciação, como é o caso de Ofun meji e outros que trazem essa característica, é bem verdade, que a grande maioria não sabe disso e lança mão da chamada intuição para identificar o futuro iniciado como um escolhido dos Orisas.

Todos sabemos que com a geladeira vazia e com a conta da luz atrasada, alguns indivíduos vendem títulos  e recebem mensagens diretas dos Orisas  gerando assim uma falsa expectativa.

O que me deixa triste, não é só o comportamento de tais elementos, mas a falta de informação, se o dinheiro não compra o amor de uma mulher digna, não compra a amizade e um homem de caráter, porque  compraria um destino ligado à religiosidade?

 Existe uma máxima na religião tradicional yoruba, que diz o seguinte:  
   “Quem escolhe o iniciado é o Orisá, e não o é iniciado que escolhe o Orisá.”                                      Se essa regra fosse obedecida em nosso país não haveria mais caciques do que índios. 



Tem mais caciques que índios, Ifá e orixa.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Quem já não ouviu essa  expressão em meio a nossa religião,em São Paulo,com uma pessoa iniciada ifá,tive a oportunidade de conversar sobre isso,e ela me disse que acreditava que qualquer pessoa pode ser um sacerdote de ifá,que é só ter dinheiro e ser iniciado.

Bem esse mesmo equívoco aconteceu durante anos nos cultos a Orisá no Brasil, muitas pessoas por vaidade, ambição ou ignorância, também acreditaram que todos nascem para ser sacerdote.

Então gostaria de perguntar, nas outras religiões não existe adeptos, somente existe a figura do líder religioso?

Se você for a uma igreja, de qualquer outra religião, você vai ver um líder e vários seguidores, na nossa religião, você vai ver um líder e um grupo enorme de pretensos lideres, gravitando à volta, aguardando uma oportunidade de ascender ao poder.

Porque isso se tornou muito comum com o passar do tempo (ter mais caciques do que índios), seria ambição, desinformação ou ganância?

 Existe uma grande parte de pessoas que foram instruídos errados e que acreditam que tudo pode ser assim, como esse meu amigo de São Paulo, que o dinheiro compra o cargo.
Texto: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Na verdade no caso dos iniciados em Ifá, isso é bem diferente do que é propagado, alguns odus indicam a possibilidade que aquela pessoa iniciada se torne um sacerdote no futuro.

Um exemplo clássico, seria alguns odus mejis, que quando de em  uma primeira consulta  em opelé ifá com um Babalawo, certamente confirmam a necessidade de uma iniciação ao sacerdócio.

No culto aos Orisás é exatamente isso, existe alguns odus que identificam claramente a necessidade de uma iniciação, como é o caso de Ofun meji e outros que trazem essa característica, é bem verdade, que a grande maioria não sabe disso e lança mão da chamada intuição para identificar o futuro iniciado como um escolhido dos Orisas.

Todos sabemos que com a geladeira vazia e com a conta da luz atrasada, alguns indivíduos vendem títulos  e recebem mensagens diretas dos Orisas  gerando assim uma falsa expectativa.

O que me deixa triste, não é só o comportamento de tais elementos, mas a falta de informação, se o dinheiro não compra o amor de uma mulher digna, não compra a amizade e um homem de caráter, porque  compraria um destino ligado à religiosidade?

 Existe uma máxima na religião tradicional yoruba, que diz o seguinte:  
   “Quem escolhe o iniciado é o Orisá, e não o é iniciado que escolhe o Orisá.”                                      Se essa regra fosse obedecida em nosso país não haveria mais caciques do que índios.