terça-feira, 26 de março de 2013


      Ifá



Autor:Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Preocupado em esclarecer os leitores, do nosso blog, para que não haja mais duvidas do culto de ifá e a religião tradicional yoruba, estamos divulgando alguns textos que poderão ajudar as pessoas em uma melhor compreensão da cultura e da religião yoruba como um todo.

Existe uma confusão, entre a realidade e as lendas, isso é comum em todas as culturas, no inconsciente coletivo fica gravado ao longo do tempo, as imagens de mais fácil assimilação, o texto abaixo, identifica, baseado em obras dos mais renomados autores yorubanos e europeus, que pesquisaram sobre a religião yoruba.

E muito fácil identificar que a origem do culto de ifá, em nada tem haver com a religião tradicional yoruba, a assimilação do povo yoruba em sua religião tradicional, há influência de ifá, é facilmente confirmada.

O  culto à ifá é  exclusivo, independente e superior aos demais, com cargos sacerdotais e liturgia próprios, totalmente diferente do culto aos demais orisás.

Existem muitas diferenças, entre um Bàbáláwo e um Bàbálórìsà:

A iniciação de um Bàbáláwo não comporta a perda momentânea de consciência (a conhecida incorporação) que é comum na iniciação dos Òrìsàs.

Na iniciação de um  Bàbáláwo não se trata de ressuscitar no inconsciente o eu perdido, correspondente à personalidade do ancestral divinizado.

A iniciação  de um Bàbáláwo é  totalmente intelectual. Ele terá de passar por um longo período de aprendizagem de conhecimentos precisos em que a memória é muito exigida e a incorporação é compreendida como além de desnecessária inadequada.

Vejamos o que diz o texto abaixo, não esquecendo que estamos falando dos maiores conhecedores da religião (Èsìn yorùbá).

Não é sem motivo, pela importância de Orunmilá, que possua um culto exclusivo, independente e superior aos demais, com cargos sacerdotais e liturgia próprios.

Oriundo de Ifé, o culto se propagou por diversas regiões do Continente Africano, desde a Nigéria Ocidental até o Baixo-Togo onde ocupa uma região que se estende até a fronteira do antigo Império do Dahomé além de todos os países pertencentes à etnia ioruba.  
    
Zunnõ, o informante de Maupoil anteriormente mencionado, afirmou que Ifá foi revelado através dos 16 signos oraculares principais (Odu-Meji) por Mawu ...”sobre uma pedra retangular branca instalada por Mawu em Meca.

 Meca teria sido, segundo Zunnõ, o local onde surgiu o culto, sendo daí transportado para outras regiões, tendo então se estabelecido em Ifé, onde foi criado o primeiro centro de estudos de Ifá e de culto de Orunmilá.

A origem árabe do sistema oracular de Ifá pode ser comprovada de diversas formas muito mais “seguras” que uma simples declaração feita por um babalaô.

1 - As figuras que compõem o sistema de Ifá são perfeitamente iguais às que compõem um sistema divinatório de origem oriental denominado “Geomancia Árabe”, muito usado também na Europa.

2 – Em todos os procedimentos do oráculo de Ifá, tudo é feito, escrito, lido e interpretado da direita para a esquerda, maneira adotada pelos árabes para escrever.
3 - A palavra “fá” usada pelos fon da mesma forma que “Ifá” pelos nagôs e “Afã” pelos minas do Togo pode ser encontrada no idioma árabe onde significa “sorte”, “augúrio” .

– Na Pérsia nos séculos VIII e IX, ou seja, na florescência da cultura iraniana, a Geomancia era matéria ensinada em Universidades célebres como a de Bagdá e estudada pela elite intelectual da época. Foram os sábios formados nestas mesmas universidades que, junto com a filosofia e a ciência adquiridas, levaram a Geomancia à Alexandria.

É Epega, o africano, quem afirma:

“Os símbolos Odu são muito antigos. Eles originaram de Orunmila em Ile-Ife. Sinais similares parecem ter sido usados no Egito (anteriores pelo menos a 3.000 aC”.

Para fechar a questão destacamos, da obra de Frikel, a seguinte afirmativa:

“Ifá pertence ao Mussurumi e é verdade que, como demonstram Trautmann e Maupoil, a adivinhação de Ifá parece ser de origem muçulmana”.

Baseado no texto do site (http://egbeifaajagajigi.no.comunidades.net/index.php?pagina=1209575114_04)

Referência Bibliográfica

1 - Os versos de Ifá fazem referência a sete Ifé. O primeiro, e possivelmente o original é Ifé-Oòdáyé. Os outros são Ifé-Nleere, Ifé-Oòyèlagbòmoró, Ifé-Wàrà, Òtù-Ifé, Ifé Oòrè e Ifé-Oòjó. (Abimbola, 1977, p. 5).
2 - “... sur une pierre rectangulaire blanche intallé par lui à la Mecque" ... De haut en bas étaint inscris: les lettres de l'alphabet árabe, les seize signes principaux de Fá et les caracteres latins...” ( Maupoil 1988 ).

3 -“Fá” ou “fa’lun” = Augúrio / “mujarrib el fal” = aquele que prevê o futuro, adivinho (Maupoil, 1988).

4 - Epega, 1987.

5 – Protasio Frikel – Die Seelenlebre dar Gêge und der Nagô. (Citado em Bastide e Verger, 1981).



 Se vc gostou, compartilhe, reproduza. Só não esqueça que a produção intelectual é de propriedade privada, então, credite a autoria dos textos. Obrigado
 Bàbàláwo Ifágbaíyin





      Ifá



Autor:Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Preocupado em esclarecer os leitores, do nosso blog, para que não haja mais duvidas do culto de ifá e a religião tradicional yoruba, estamos divulgando alguns textos que poderão ajudar as pessoas em uma melhor compreensão da cultura e da religião yoruba como um todo.

Existe uma confusão, entre a realidade e as lendas, isso é comum em todas as culturas, no inconsciente coletivo fica gravado ao longo do tempo, as imagens de mais fácil assimilação, o texto abaixo, identifica, baseado em obras dos mais renomados autores yorubanos e europeus, que pesquisaram sobre a religião yoruba.

E muito fácil identificar que a origem do culto de ifá, em nada tem haver com a religião tradicional yoruba, a assimilação do povo yoruba em sua religião tradicional, há influência de ifá, é facilmente confirmada.

O  culto à ifá é  exclusivo, independente e superior aos demais, com cargos sacerdotais e liturgia próprios, totalmente diferente do culto aos demais orisás.

Existem muitas diferenças, entre um Bàbáláwo e um Bàbálórìsà:

A iniciação de um Bàbáláwo não comporta a perda momentânea de consciência (a conhecida incorporação) que é comum na iniciação dos Òrìsàs.

Na iniciação de um  Bàbáláwo não se trata de ressuscitar no inconsciente o eu perdido, correspondente à personalidade do ancestral divinizado.

A iniciação  de um Bàbáláwo é  totalmente intelectual. Ele terá de passar por um longo período de aprendizagem de conhecimentos precisos em que a memória é muito exigida e a incorporação é compreendida como além de desnecessária inadequada.

Vejamos o que diz o texto abaixo, não esquecendo que estamos falando dos maiores conhecedores da religião (Èsìn yorùbá).

Não é sem motivo, pela importância de Orunmilá, que possua um culto exclusivo, independente e superior aos demais, com cargos sacerdotais e liturgia próprios.

Oriundo de Ifé, o culto se propagou por diversas regiões do Continente Africano, desde a Nigéria Ocidental até o Baixo-Togo onde ocupa uma região que se estende até a fronteira do antigo Império do Dahomé além de todos os países pertencentes à etnia ioruba.  
    
Zunnõ, o informante de Maupoil anteriormente mencionado, afirmou que Ifá foi revelado através dos 16 signos oraculares principais (Odu-Meji) por Mawu ...”sobre uma pedra retangular branca instalada por Mawu em Meca.

 Meca teria sido, segundo Zunnõ, o local onde surgiu o culto, sendo daí transportado para outras regiões, tendo então se estabelecido em Ifé, onde foi criado o primeiro centro de estudos de Ifá e de culto de Orunmilá.

A origem árabe do sistema oracular de Ifá pode ser comprovada de diversas formas muito mais “seguras” que uma simples declaração feita por um babalaô.

1 - As figuras que compõem o sistema de Ifá são perfeitamente iguais às que compõem um sistema divinatório de origem oriental denominado “Geomancia Árabe”, muito usado também na Europa.

2 – Em todos os procedimentos do oráculo de Ifá, tudo é feito, escrito, lido e interpretado da direita para a esquerda, maneira adotada pelos árabes para escrever.
3 - A palavra “fá” usada pelos fon da mesma forma que “Ifá” pelos nagôs e “Afã” pelos minas do Togo pode ser encontrada no idioma árabe onde significa “sorte”, “augúrio” .

– Na Pérsia nos séculos VIII e IX, ou seja, na florescência da cultura iraniana, a Geomancia era matéria ensinada em Universidades célebres como a de Bagdá e estudada pela elite intelectual da época. Foram os sábios formados nestas mesmas universidades que, junto com a filosofia e a ciência adquiridas, levaram a Geomancia à Alexandria.

É Epega, o africano, quem afirma:

“Os símbolos Odu são muito antigos. Eles originaram de Orunmila em Ile-Ife. Sinais similares parecem ter sido usados no Egito (anteriores pelo menos a 3.000 aC”.

Para fechar a questão destacamos, da obra de Frikel, a seguinte afirmativa:

“Ifá pertence ao Mussurumi e é verdade que, como demonstram Trautmann e Maupoil, a adivinhação de Ifá parece ser de origem muçulmana”.

Baseado no texto do site (http://egbeifaajagajigi.no.comunidades.net/index.php?pagina=1209575114_04)

Referência Bibliográfica

1 - Os versos de Ifá fazem referência a sete Ifé. O primeiro, e possivelmente o original é Ifé-Oòdáyé. Os outros são Ifé-Nleere, Ifé-Oòyèlagbòmoró, Ifé-Wàrà, Òtù-Ifé, Ifé Oòrè e Ifé-Oòjó. (Abimbola, 1977, p. 5).
2 - “... sur une pierre rectangulaire blanche intallé par lui à la Mecque" ... De haut en bas étaint inscris: les lettres de l'alphabet árabe, les seize signes principaux de Fá et les caracteres latins...” ( Maupoil 1988 ).

3 -“Fá” ou “fa’lun” = Augúrio / “mujarrib el fal” = aquele que prevê o futuro, adivinho (Maupoil, 1988).

4 - Epega, 1987.

5 – Protasio Frikel – Die Seelenlebre dar Gêge und der Nagô. (Citado em Bastide e Verger, 1981).



 Se vc gostou, compartilhe, reproduza. Só não esqueça que a produção intelectual é de propriedade privada, então, credite a autoria dos textos. Obrigado
 Bàbàláwo Ifágbaíyin




sexta-feira, 15 de março de 2013

Sexo e religião e Ifá.




Autor: Babalawo Ifagbaiyin  Agboola.

Muito se tem falado sobre sexo e orixá, mas muito pouco se tem explicado, não sei se é por desconhecimento, ou por falta de interesse.


A verdade é que falar de sexo e vida religiosa  permanece sendo um assunto delicado, a ideia que um sacerdote precisa  ser um santo com o tempo vai desaparecer, um sacerdote é uma pessoa normal como qualquer outra e precisa fazer sexo.

A influência católica na nossa religião   é como uma doença ruim, aos poucos vai destruindo por dentro, e quando você se da conta pouco ou quase nada se tem para fazer.

O convívio da nossa religião com o catolicismo gerou um prejuízo imenso, mas necessário, porém  agora chegou a hora de cortar esses laços. Vamos recuperar informações da filosofia e da teologia yoruba, a criatividade e a má fé em nosso país  geraram um comportamento anormal .


Imagine se todas as pessoas soubessem a verdadeira história do catolicismo, certamente muito ou quase nada de nossa religião teria sido adaptado a um modelo com tantas falhas.

Quantos Papas tiveram filhos, quantos padres mantem mulher e amante em um convívio oculto, vejo tantas pessoas falando desse problema, mas pouco se sabe da verdade, tenho tentado não abordar o tema, mas chegou a hora de colocar a a minha opinião sobre  tudo que acontece nos bastidores.

Nos sábados a noite, em festas glamorosas quase sempre a conquista é a meta principal, muitas vezes colocando a religião de lado.
 Em barracões preparados para receber o orixá é comum ver olhares indiscretos despindo o desejado.

Em um passado não muito distante o lugar para namorar certamente deveria ser escolhido com outro critério.

As igrejas e os templos sempre serviram de abrigo para segredos e romances, porém hoje ultrapassamos todas as medidas.
O homem tem a necessidade de viver em harmonia com seu semelhante, mas essa intimidade criada em alguns espaços religiosos é deplorável.

Se falando de orixá salvo raras exceções não existe a proibição de sexo para os iniciados, isso não quer dizer que tudo é permitido, esse comportamento prejudica uma religião maravilhosa, colocando todos em uma condição constrangedora.

Um sacerdote pode  dar comida ao orixá de sua esposa, mas dai misturar tudo no dia do ritual para mim é inconcebível, sexo é maravilhoso mas tem local apropriado.

A beleza das festas oferecidas para os  orixás cria um local de amor, carinho, paixão, a religião serve para aproximar as pessoas.

 Uma pessoa normal sabe que tudo tem hora, é quase impossível acreditar, mas é verdade o número de pessoas recolhidas para uma iniciação que tem um relacionamento com o seu sacerdote é imenso.

Cada iniciação da inicio a um caso amoroso, até ai tudo bem se for amor para com o orixá, a situação do iniciado e iniciador cria uma intimidade que jamais deve ser desrespeitada.

Vamos supor o seguinte, um sacerdote de uma  sua casa que tem muitas pessoas iniciadas não deve ter relações sexuais com sua mulher quando  houver rituais?

Impedimento de sexo sendo considerado prescrito, certamente é um preceito contra a felicidade.

 As vezes é mais fácil ver um mal intencionado metido a esperto jurando moral, que um desinformado com olhares de conquista, a bondade ou o bom comportamento, não se mede por palavras e sim por atos.

Procuro orientar as pessoas que atendo, amem muito, os orixás querem a sua felicidade, fazer sexo é muito bom, mas só pensar em sexo é doença. Todos  precisamos de amor, a vida é muito boa e deve ser bem aproveitada.

Ifá diz, a multiplicidade constante de parceiros sexuais enfraquece o ori, eu complemento dizendo que esse tipo de comportamento  é prejudicial a auto estima, e gera uma enorme frustração muitas vezes levando a um desequilíbrio.

Atendo muitas pessoas que não conseguem ser feliz, isso leva as pessoas  a uma procura incansável, e sem limites, tornando intimo o desconhecido.

É fundamental entender que o orixá quer a sua felicidade, mas dai ficar procurando desculpas para praticar o desmedido vai levar você ao infortúnio, entenda na nossa religião só tem proibições quem foi iniciado em ifá.

Durante a iniciação você fica sabendo o seu odu tome conhecimento de  tudo que não deve ser praticado.

Em alguns odus praticamente não tem proibição, isso não quer dizer que você pode fazer tudo que quiser.

 Use o bom senso, se você não conhece o seu odu comporte se como uma  pessoas normal, pessoas normais  sabem a  diferenciar o certo do errado.

Se o seu sacerdote faz sexo com alguém isso é um problema dele, se ele faz sexo com qualquer pessoa em qualquer lugar, ai sim  o problema é seu.

Indico para as pessoas interessadas no assunto duas  postagens  no  nosso blog :

 A escolha de um sacerdote, e Religião tem regras.

 Desejo a todos uma boa leitura.

Babalawo Ifagbaiyin

Sexo e religião e Ifá.




Autor: Babalawo Ifagbaiyin  Agboola.

Muito se tem falado sobre sexo e orixá, mas muito pouco se tem explicado, não sei se é por desconhecimento, ou por falta de interesse.


A verdade é que falar de sexo e vida religiosa  permanece sendo um assunto delicado, a ideia que um sacerdote precisa  ser um santo com o tempo vai desaparecer, um sacerdote é uma pessoa normal como qualquer outra e precisa fazer sexo.

A influência católica na nossa religião   é como uma doença ruim, aos poucos vai destruindo por dentro, e quando você se da conta pouco ou quase nada se tem para fazer.

O convívio da nossa religião com o catolicismo gerou um prejuízo imenso, mas necessário, porém  agora chegou a hora de cortar esses laços. Vamos recuperar informações da filosofia e da teologia yoruba, a criatividade e a má fé em nosso país  geraram um comportamento anormal .


Imagine se todas as pessoas soubessem a verdadeira história do catolicismo, certamente muito ou quase nada de nossa religião teria sido adaptado a um modelo com tantas falhas.

Quantos Papas tiveram filhos, quantos padres mantem mulher e amante em um convívio oculto, vejo tantas pessoas falando desse problema, mas pouco se sabe da verdade, tenho tentado não abordar o tema, mas chegou a hora de colocar a a minha opinião sobre  tudo que acontece nos bastidores.

Nos sábados a noite, em festas glamorosas quase sempre a conquista é a meta principal, muitas vezes colocando a religião de lado.
 Em barracões preparados para receber o orixá é comum ver olhares indiscretos despindo o desejado.

Em um passado não muito distante o lugar para namorar certamente deveria ser escolhido com outro critério.

As igrejas e os templos sempre serviram de abrigo para segredos e romances, porém hoje ultrapassamos todas as medidas.
O homem tem a necessidade de viver em harmonia com seu semelhante, mas essa intimidade criada em alguns espaços religiosos é deplorável.

Se falando de orixá salvo raras exceções não existe a proibição de sexo para os iniciados, isso não quer dizer que tudo é permitido, esse comportamento prejudica uma religião maravilhosa, colocando todos em uma condição constrangedora.

Um sacerdote pode  dar comida ao orixá de sua esposa, mas dai misturar tudo no dia do ritual para mim é inconcebível, sexo é maravilhoso mas tem local apropriado.

A beleza das festas oferecidas para os  orixás cria um local de amor, carinho, paixão, a religião serve para aproximar as pessoas.

 Uma pessoa normal sabe que tudo tem hora, é quase impossível acreditar, mas é verdade o número de pessoas recolhidas para uma iniciação que tem um relacionamento com o seu sacerdote é imenso.

Cada iniciação da inicio a um caso amoroso, até ai tudo bem se for amor para com o orixá, a situação do iniciado e iniciador cria uma intimidade que jamais deve ser desrespeitada.

Vamos supor o seguinte, um sacerdote de uma  sua casa que tem muitas pessoas iniciadas não deve ter relações sexuais com sua mulher quando  houver rituais?

Impedimento de sexo sendo considerado prescrito, certamente é um preceito contra a felicidade.

 As vezes é mais fácil ver um mal intencionado metido a esperto jurando moral, que um desinformado com olhares de conquista, a bondade ou o bom comportamento, não se mede por palavras e sim por atos.

Procuro orientar as pessoas que atendo, amem muito, os orixás querem a sua felicidade, fazer sexo é muito bom, mas só pensar em sexo é doença. Todos  precisamos de amor, a vida é muito boa e deve ser bem aproveitada.

Ifá diz, a multiplicidade constante de parceiros sexuais enfraquece o ori, eu complemento dizendo que esse tipo de comportamento  é prejudicial a auto estima, e gera uma enorme frustração muitas vezes levando a um desequilíbrio.

Atendo muitas pessoas que não conseguem ser feliz, isso leva as pessoas  a uma procura incansável, e sem limites, tornando intimo o desconhecido.

É fundamental entender que o orixá quer a sua felicidade, mas dai ficar procurando desculpas para praticar o desmedido vai levar você ao infortúnio, entenda na nossa religião só tem proibições quem foi iniciado em ifá.

Durante a iniciação você fica sabendo o seu odu tome conhecimento de  tudo que não deve ser praticado.

Em alguns odus praticamente não tem proibição, isso não quer dizer que você pode fazer tudo que quiser.

 Use o bom senso, se você não conhece o seu odu comporte se como uma  pessoas normal, pessoas normais  sabem a  diferenciar o certo do errado.

Se o seu sacerdote faz sexo com alguém isso é um problema dele, se ele faz sexo com qualquer pessoa em qualquer lugar, ai sim  o problema é seu.

Indico para as pessoas interessadas no assunto duas  postagens  no  nosso blog :

 A escolha de um sacerdote, e Religião tem regras.

 Desejo a todos uma boa leitura.

Babalawo Ifagbaiyin

segunda-feira, 11 de março de 2013

O Perdão está garantido Orunmila?





Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Sigo Ifá não falo como Ifágbaiyin, falo como o porta voz de Orunmila, sendo assim sigo os versos de ifá no Odu Ika fun, diz você não deve prejudicar o seu semelhante, você é responsável por tudo aquilo que você praticar e deve assumir os seus erros.

Tudo fica muito mais fácil, quando sabemos que se comprar um pedacinho do céu nossos crimes podem ser perdoados, a igreja católica ficou rica vendendo o perdão.

Não sou Deus, não sou Orunmila, sou um sacerdote, e um sacerdote que não segue a orientação de sua religião da origem a uma seita.

Esse é o problema se você não aceita as regras, você vive a margem de sua religião, que deixa de ser uma religião e se torna uma seita criada por conforme o seu pensamento.

Você não precisa de deus, você cria as suas próprias regras, você não precisa de um Oluwo, você não precisa de um Babalorisa , você não precisa de Ifá ou Jesus Cristo, você é o próprio Deus, você é  absoluto, e cria suas próprias normas, O PERDÃO ESTÁ GARANTIDO.

Ifá gbe wa,o

O Perdão está garantido Orunmila?





Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Sigo Ifá não falo como Ifágbaiyin, falo como o porta voz de Orunmila, sendo assim sigo os versos de ifá no Odu Ika fun, diz você não deve prejudicar o seu semelhante, você é responsável por tudo aquilo que você praticar e deve assumir os seus erros.

Tudo fica muito mais fácil, quando sabemos que se comprar um pedacinho do céu nossos crimes podem ser perdoados, a igreja católica ficou rica vendendo o perdão.

Não sou Deus, não sou Orunmila, sou um sacerdote, e um sacerdote que não segue a orientação de sua religião da origem a uma seita.

Esse é o problema se você não aceita as regras, você vive a margem de sua religião, que deixa de ser uma religião e se torna uma seita criada por conforme o seu pensamento.

Você não precisa de deus, você cria as suas próprias regras, você não precisa de um Oluwo, você não precisa de um Babalorisa , você não precisa de Ifá ou Jesus Cristo, você é o próprio Deus, você é  absoluto, e cria suas próprias normas, O PERDÃO ESTÁ GARANTIDO.

Ifá gbe wa,o