terça-feira, 10 de dezembro de 2013

O estudante de ifá.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin  Agboola.

Em um isefa quando aparece como odu regente naquele momento servindo de referencia e orientação para o pré-iniciado o odu ogbe Méjì e alguns outros odus específicos o babalawo orienta a pessoa que ela tem que ser submetido há outra pequena cerimônia e se ela concorda inicia-se o seguinte processo:

- No período indicado por ifá que pode ser até o terceiro dia ou logo após a apuração do odu o ifá é alimentado novamente incluindo agora um opele para praticar.

- Primeiramente se aparecer esse odu o pré-iniciado ficará em um espaço reservado esperando o babalawo alimentar iya odu imediatamente.

- Após segue o ritual de alimentar o ifá e o opele, porém a partir desse momento o pré-iniciado passa por mais uma cerimônia onde babalawo entrega o opele e orienta a pratica.

- Na Nigéria em território yoruba é costume pintar com efun a impressão dos odus em folhas de ewe eko, essas folhas são penduradas na casa do estudante que inicialmente deve gravar em sua memória a impressão dos 16 odus, mais antigos.

- Em território yoruba esse primeiro opele quase sempre é confeccionado com pequenos pedaços de cabaça.

- Existe uma grande diferença entre os isefas comuns e o citado acima, o odu ejiogbe indica o sacerdócio, sendo assim um babalawo que não tem iya odu deve levar imediatamente o pré-iniciado para a casa de seu oluwo, então o ritual para iya odu é feito no assentamento do oluwo.

- Depois de algum tempo o pré-iniciado que foi orientado no isefá fará o Ìtélodú, é importante explicar que se no isefa Orunmila indicar o sacerdócio não é feita a cerimônia do itefa como a iniciação de um babalorisa, os rituais necessários devem ser feitos para consagrar o babalawo.

- Passado algum tempo o agora awo passará por outro ritual onde demonstrará o seu conhecimento sobre os odus e nesse momento será confeccionado os novos opeles.

- Só após o Ìtélodú será orientado o estudo dos 240 Omo odus.

- Com o opele alimentado e conhecendo os odus que inviabilizam o uso do opele os estudos se aprofundam.

- A partir desse momento começa uma longa história, de dedicação fé e carinho entre o estudante e o seu instrutor, só com muita dedicação o estudante passará para um novo estágio em seus estudos.

- A consulta aos ikins, e os odus que inviabilizam o uso do opele, só são divulgados após o juramento dentro do igbodu.

- Obs: Cada pessoa reage diferente ao processo de estudo, algumas têm uma inteligência comparativa outros não, por essa razão o Ojugbona (instrutor), necessita ter uma didática bem apurada.
Algumas pessoas conseguem decorar e gravar as orientações em um prazo bem menor que outras.

 Então pode acontecer que todo o processo acima citado evolua em um período de tempo bem pequeno, mas desse ponto até iniciar outras pessoas o processo é bem demorado.

Um babalawo que não tem conhecimento quando faz rituais que não esta preparado  compromete o nome da família, a saúde dele e das pessoas que ele atende.

Pior que isso o babalawo que não tem conhecimento entra em conflito com os orisás e seus antepassados.


0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial