domingo, 20 de março de 2016

A caminhada dentro de ifá.


Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Na tentativa de contribuir para diminuir as dúvidas das pessoas que pretendem se iniciar em ifá e das pessoas leigas que gostam do culto de Òrúnmìlà, nos propomos mais uma vez a escrever sobre esse tema, respeitando as diferenças do culto em cada família, mas divulgando os procedimentos dentro do seguimento que professamos.

Para algumas famílias o isefa não é uma iniciação, em nossa família consideramos o Itefa uma iniciação completa e o isefa uma pré-iniciação, toda a pessoa submetida a um isefa recebe um nome, além das orientações do odu do ritual.

Se a pessoa recebe uma indicação no isefá que deve se tornar um Bàbàláwo, o ifá é alimentado mais uma vez, em um novo ritual, que não acontece no mesmo dia, e um opele de cabaça é consagrado para o inicio dos estudos, durante os estudos o pré-iniciado recebe o nome de awo kekere.

Observação: Esse tipo de situação descrita no paragrafo isefa é mais comum quando o pré-iniciado recebe como orientação em seu isefa um odu méjì, porém existem muitos odus que indicam essa necessidade.

A pessoa submetida a um isefa é chamada Omo ifá, já uma pessoa submetida ao itefa é conhecida como awo ifá, em nossa família consideramos esses dois nomes e usamos a denominação awo kekere, (pequeno segredo), para as pessoas com indicação para itefa e Itelodu.

Existem inúmeras formas de consagrar um opele, uma pessoa que passa pelo itefa, mesmo tendo odu de Bàbàláwo, não tem o seu opele consagrado para atender clientes.

A consagração do opele em alguns casos no itefa, é muito simplificada consistindo em que o opele seja alimentado dentro da vasilha de  Òrúnmìlà, já para consagrar o opele que vai consultar para clientes a consagração é bem diferente.

O uso do ikins para consulta é determinado mais por um habito familiar ou regional que por uma necessidade, com exceção das iniciações ou rituais específicos.

As pessoas, iniciadas para se tornarem Bàbàláwos começam os seus estudos, não no momento que fazem o itefa, começam seus estudos quando na pré-iniciação (isefa), recebem uma orientação de  Òrúnmìlà que tem caminho de Bàbàláwo.

O isefa não é uma cerimonia obrigatória, porém para chegar ao Itelodu é necessário fazer o itefa.
Um isefa leva até três dias para conclusão da cerimonia, já um itefa leva de três a dezessete dias para conclusão das cerimonias, isso não quer dizer que não possa seguir outras indicações, o mais comum é que seja feito em três dias como indica o nome da cerimonia.

Um Bàbàláwo na Nigéria dentro do culto tradicional nunca muda de família, se ele se desgostar ou houver algum desentendimento com seus iniciadores ele vai seguir respeitando por toda a sua vida a família quem o iniciou.

Um Bàbàláwo nunca muda de nome ou retira o nome de sua família, o nome que ele recebeu representa a sua historia e a historia da sua família, além é claro de um compromisso assumido no Igbodu.

Um Bàbàláwo ou uma Ìyánifá recebem esse titulo amparado pelos ancestrais de sua família representados em cerimônias diante de Opa Osun que o guiará no momento da impressão do odu no opon Ifá, não existe a possibilidade de um sacerdote de Ifá seguir um caminho desligado de sua família, isso representaria a falta de ligação com os antepassados, à religião tradicional yoruba é familiar.

O culto a Òrúnmìlà está descrito nos versos de Ifá, não existe improvisação ou criatividade, as cerimônias feitas na Nigéria devem ser reproduzidas com fidelidade sobre o risco, do não alinhamento com a origem, comprometer a veracidade dos atos.




0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial