segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A inadimplência e os Òrìsàs.


Autor: Babalawo Ifágbaíyin Agboola.

Muito pouco se 6tem escrito sobre esse assunto por razões obvias, as pessoas preferem se calar, a serem mal interpretadas.

Em um país teoricamente Cristão é comum que o trato com o dinheiro seja condenado e muitos Sacerdotes das mais diversas religiões terminam sendo vistos como mercenários da fé.

No entanto a verdade é muito diferente do discurso dos puritanos com dinheiro na cueca.
Tudo tem um custo, tempo é dinheiro e dedicação implica em tempo, porque então não deveria ser remunerado o trabalho dos sacerdotes?

Escrevo esse texto pensando nas pessoas menos esclarecidas que recorrem às casas de Òrìsà e assumem compromissos que não são cumpridos.

A história é mais complicada do que se pensa, se um Òrìsà foi invocado e uma energia foi liberada é evidente que houve um desgaste, para aquele que impulsionou o processo.

Explico isso com muita tranquilidade e aconselho que as pessoas que não tem certeza que vão poder cumprir com o compromisso assumido solicitem que o mesmo tenha o seu preço diminuído para facilitar o pagamento.

A inadimplência nas religiões é muito comum e algumas pessoas preferem não abordar esse tema, mas alguém precisa esclarecer que o compromisso não cumprido é pior que a negativa das orientações para sacrifícios.

Um ritual pode ser favorável ou prejudicial par quem o solicita, o que determina o resultado é o cumprimento do estabelecido, tanto pelo sacerdote como pelo solicitante, digo prejudicial porque o ebó sem resultado enfraquece a fé daqueles que não conhecem a religião dos Orisas. 

Em tempos de crise, a falta de pagamento a compromissos diversos é comum, mas a falta à inadimplência na tradição de Òrìsà é vista como traição e desvalorização do sagrado.

Criticas sempre houveram, e muito vai ser dito sobre as minhas afirmações, mas tenho muita tranquilidade para fazer essa abordagem, primeiro porque não tem nenhuma pessoa me devendo dinheiro e segundo porque minhas palavras estão sustentadas nos versos de Ifá.
 
ODU OTURA KA

OGININIGIN AWO OLOKUN
LODIFA FUN OLOKUN NIJO
OMI OKUN KO TO BU BOJU
ALUKO DODO AWO OLOSA LODIFA FUN OLOSA
NIJO OMI OSA KOSE BU WESE
ODIDERE ABIRIN ESE KERE WE
ADIFA FUN OLUWO MODO OBA
NIJO TI WON NWA OHUN EBO KIRI
ERIGI AWO AGBASA ADIFA FUN WON NI SESAN AGERE
NIJO TI WON NWA OHUN EBO KIRI
OWO TI NBE NILE YI NKO OHUN EBO NISE ERIGI LAWO AGBASA AWA TI ROHUN EBO
EYELE, AKUKO, ADIE, ETU, EWURE ABUKO BEBELO
ENI TO BA NI KEBO MA DA KO MA BEBOLO

Tradução:

– Otua/ka
Oginnigin, the priest of Olokun (sea God)
Cast divination for Olokun
When the water in the ocean is small
Aluko dodo the priest of Olosa ( river God)
Cast divination for Olosa
When the water in the river is small
The parrot with its awkward movement
Cast divination for oluwo modo oba
Erigi Awo Agbasa cast divination for the people of sesan agere
When they were looking for materials for ebo(sacrifice)
The Money on the floor is a material for ebo
Erigi Awo Agbasa we have seen the material for ebo
The pigeon, rooster, hen guinea fowl, goats, etc are materials for sacrifice
Erigi Awo Agbasa we have seen the materials for ebo 
Person who says that the sacrifice should not be accepted should die and follow the sacrifice.

Na décima primeira linha diz:

O dinheiro no chão é material para o ebó.

Quem for contratar uma iniciação ou um ebó sem a certeza que vai poder pagar deve levar em consideração a possibilidade que o resultado possa não acontecer.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial