quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Minha mãe e o Ifá




Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola.

Os interesses internacionais ao longo da historia fomentaram ideias expansionistas com finalidades comerciais buscando acomodar a falta ou excesso das colheitas em determinadas regiões.

O homem moderno manipulado pelo marketing e pelos interesses governamentais acompanhou esse raciocínio e hoje o que se vê é um relacionamento muito amplo entre pessoas de vários países na rede social, porem por outro lado as pessoas dentro de suas casas mal conseguem se olhar e os relacionamentos familiares permanecem em grande parte por acomodações de interesse.

As religiões no mundo têm como obrigação instruir o homem para que tenha uma vida melhor com seu semelhante, eu faça uma ressalva, o micro cosmo é o ponto de partida para a ampliação do bem querer, se você não se amar e não amar as pessoas da sua família como a sua mãe, ou o seu pai, como pode se iludir de ter um relacionamento positivo com amigos que de fato você nem conhece.

A família é a grande base, é o alimento, é a agua e o ar que nutri a vida, antes de escrever frases feitas na rede social procure olhar para as pessoas que estão ao seu lado, ter amigos é maravilhoso, mas o respeito a família é fundamental.
O carinho, o respeito e o amor afastam as dificuldades que a sociedade moderna criou como forma de dividir os seres humanos em grupos de consumidores.

A religião yoruba tem em seus princípios o respeito à figura materna como a base da educação, o individuo que não respeita a sua mãe não pode almejar em nenhum momento o carinho dos seus filhos, a mãe é aquela que dá a vida e sem ela a realidade é fria e assustadora.

Hoje em grande parte do mundo a comemoração acontece na rua enquanto na verdade a distancia continua aumentando dentro dos próprios lares.

O mundo moderno obrigou as pessoas a uma disputa, hoje as pessoas lutam por um emprego, por mais dinheiro, por uma bela casa e por um belo carro, mas estão se tornando incapazes de lutar por suas famílias.

Os laços familiares devem ser retomados, devemos abraçar as pessoas que estão ao nosso lado. Infelizmente hoje é comum visualizar as pessoas voltadas exclusivamente para o convívio indireto da rede social, se o convívio familiar fosse mais verdadeiro o relacionamento externo seria menos frio e dissimulado, é fantástico o que a tecnologia nos propõe, interagir, aprender é muito bom quando dentro de nós existe uma conformidade com aqueles que nos rodeiam.

Se você não aceita a sua mãe e a sua família, não vai entender que na sua maioria à realidade virtual retrata as frases feitas e as fotos montadas distanciando o sentimento da imagem.

O religioso quase sempre é antipático aos olhos daqueles que se iludem com apelo comercial quando faz comentários como esse que estou fazendo, mas eu não sou o primeiro, o Papa Francisco e outros lideres religiosos já alertaram as pessoas para esse acontecimento.

O grupo de pessoas que é manejado pela mídia é o mesmo grupo que prefere se iludir que uma simples mudança no calendário vai trazer paz e uma vida nova.

A paz, a tranquilidade e o bem viver são construídos primeiramente dentro de cada um, é necessária uma reflexão sobre o caminho que estamos seguindo.

Em 2016 tudo vai mudar se você mudar, nós devemos dar o primeiro passo, a mudança se desenvolve de forma sutil, mas ao longo da caminhada o prazer da mudança pode ser sentindo.
As vésperas de um novo ano eu convido você a iniciar uma caminhada, caminhe primeiramente de mãos dadas com a sua família, ai sim você vai caminhar em direção a paz.

Escrevo esse texto em um momento de grande alegria, recebi hoje a tarde uma ligação telefônica de minha mãe Ifánawóadé (Yeye oibó), me informando que ela esta vindo para a Bahia, seja muito bem vinda minha mãe.

Previsões para 2016, minha mãe vai estar comigo novamente, saudades!





quarta-feira, 2 de dezembro de 2015


TODAS AS PESSOAS PODEM SER INICIADAS EM IFÁ.


Autor:Babalawo Ifagbaiyin Agboola


Odu Iwori odi


Kosi abiyamo ti ko lee bi Awo l’omo,

Kosi abiyamo ti ko lee bi Orunmila.

Baba eni, bioba bi’ni ni pipe,

Bopetiti, a tun nbi Baba eni l’omo’ Yeye.

Eni, bioba bi’ni ni pipe,

Bopetiti, a tun nbi Yeye eni l’omo. 

daa f’Orunmila, ti o wipe:

Oun maa m’Orun bo wa si aye,

Oun maa mu Aye lo s’Orun.

Ki o baa le se bee dandan,

IFA ni ki o ru ohun-gbogbo ni mejimeji,

Abo ati Ako bayi: - Agbo kan, Agutan kan,

Obuko kan, Ewure kan, Akuko-adiye kan,

Agbebo-adiye kan; ati beebee lo. O gbo o

rubo. Bee ni aye nbisii ti won si nre sii.


TRADUÇÃO

Não existe nenhuma mulher que dê a luz a filhos que não possa dar a luz a um Sacerdote de Ifá.

Não existe nenhuma mulher que dê a luz a filhos que não possa dar a luz a Òrúnmìlà.

Nosso pai, se ele nos dá a luz em plenitude, inevitavelmente nós devemos em tempo dar a luz a ele em retribuição.

Nossa mãe, se ela nos dá a luz em plenitude, inevitavelmente nós devemos em tempo dar a luz a ele em retribuição.

O Ifá foi consultado por Òrúnmìlà, quando ele disse que “Ele trará os Céus abaixo para a Terra, Ele trará a Terra acima para os Céus.”

De forma que ele possa realizar com sucesso sua missão, a Ele foi dito para oferecer tudo em dois, um macho e uma fêmea.

Um carneiro e uma ovelha, um bode e uma cabra, um galo e uma galinha etc.

 Òrúnmìlà escutou, prestou atenção, obedeceu e sacrificou. Assim a Terra tornou-se frutífera e multiplicou grandemente.

( Epega)


quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Ifá, Orixás, o pecado não existe.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Escrever sobre filosofia religiosa yoruba exige sobre tudo coragem e ousadia, aquele que tenta divulgar orixá e sua forma de pensar em um país a onde a grande maioria se declara católico.

O Ile Ifá Agboola tem sua sede em um bairro conhecido como Areia Branca, famoso pela quantidade de terreiros de candomblé.

Fui surpreendido com o resultado de uma pesquisa que fiz na internet, em nosso bairro a grande maioria das pessoas se declaram católicos ou evangélicos.

Religião                                                      Areia Branca
Católica Apostólica Romana                             18.370
Espírita                                                                   125
Evangélica                                                            4.001

Dados fornecidos pela prefeitura de Lauro de Freitas – Bahia.

Escrever para pessoas que não assumem sua religião publicamente é muito complicado, imaginem então, escrever sobre filosofia yoruba para pessoas que aprenderam a pensar como católicos.

Para nós iniciados em orixá o pecado não existe pressupor pecado implica em aceitar que se eu pequei e cumpri a penitencia fui perdoado, na religião tradicional yoruba se você cometer erros mesmo que venha se arrepender as implicações do erro não deixaram de existir.

No odu Ògúndá Òfún fala sobre o comportamento do ladrão e traidor, indicando no próprio texto cautela ao iniciar as pessoas para quem se apresenta esse odu, se Òrúnmìlà orienta para ter cautela é porque existem indicativos de falta de caráter.

Ògúndá Òfún:

Um mentiroso mente e suas mentiras o destroem.
Um traidor faz dano para ele mesmo.

Estas foram as declarações de ifá para Òrúnmìlà, quando o mentiroso e traidor queria se converter em seu discípulo.

“Solagbade Popoola”

A verdade é que ao longo do tempo em nosso país foi divulgado que a nossa religião esta de braços abertos para os faltosos, em parte é verdade, estamos de braços abertos, mas isso não quer dizer que você comprou um passaporte para a impunidade.

Há algum tempo um Bàbàláwo recém-iniciado me perguntou se quem passa por todos os rituais do itelodu estaria protegido por um longo tempo de energias negativas, a minha resposta para ele foi não.

Mesmo que você tenha passado por todos os rituais que uma iniciação exige, se você não mudar sua forma de pensar e agir, a permanência da energia adquirida na iniciação termina se esvaindo.

A religião que eu pratico não é a mesma das pessoas que atendem traficantes e assassinos, seria infantilidade afirmar que orações dirigidas a um orixá possam trazer benefícios para alguém que vende drogas para crianças ou que tira a vida de inocentes.

Os desavisados podem concluir então que a nossa religião é só para pessoas perfeitas, na realidade todas as religiões deveriam servir para as pessoas que querem abandonar posturas antigas, deveriam servir para pessoas que estão tentando mudar e evoluir como seres humanos.

Se você busca a transformação o orixá é o caminho, mas se você acredita em absolvição esta na religião errada, as nossas atitudes nos envolvem e podem nos condenar ou nos absolver.

Quem não estiver com intenção de melhorar certamente não vai ter as suas suplicas atendidas, o desonesto reza e não é escutado, ao contrario daquele que tem boas intenções, que até os seus pensamentos são ouvidos.


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Guerra contra Ifá e os orixás e a UNESCO-ONU.




Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola


É dolorida e muitas vezes inaceitável para aqueles que desenvolvem por ignorância a intolerância religiosa a realidade que  milhões de pessoas em nosso país que cultuam orixá.

A quantidade absurda de emissoras de rádios sendo liberadas em Brasília para supostos pastores lavarem o dinheiro do trafego, explica porque mercenários estão sendo recrutados para invadir terreiros.

Bandidos travestidos de pastores para justificarem movimentações bancárias milionárias necessitam de supostos adeptos, se não existir uma quantidade grande de pessoas fica difícil justificar uma grande quantidade de dinheiro.

O desespero aumenta porque a arrecadação aumentou e justificar o dinheiro é uma forma de legalizar os imóveis.

Os mesmos ignorantes que ouvem as supostas rádios religiosas são os que recebem treinamento militar para atacar a nossa religião.

 O grande número de pastores residindo nos presídios do estado do Rio de Janeiro indica claramente a ligação da bandidagem com a suposta guerra santa nos meios de comunicação.

O principio de desfazer do oponente como forma de chamar a atenção para si é usado nas mais diversas situações, na religião não poderia ser diferente.

Esse povo que nos ataca desfaz de nossa fé buscando agregar seguidores a fé deles, a campanha  negativa contra nós  já vem sendo desenvolvida há muito tempo.

Se existe uma guerra temos que lutar, a melhor arma é a informação.
 Ifá é respeitado e reconhecido em todo o mundo, a UNESCO-ONU declarou que o Ifá e é patrimônio religioso e cultural da humanidade, da mesma forma que o Vaticano e outros templos e símbolos religiosos.

Se o cristianismo, o judaísmo e o islamismo tem reconhecimento porque nossa religião não teria?

Seria porque nossa religião é oriunda do continente africano?

Evidentemente que todos no Brasil sabem a razão desse preconceito, a resposta esta na pele negra de nossos antepassados.

Esta na hora de mostrar para esses ignorantes radicais a verdade chegou a hora de combater os loucos que  organizam milícias para invadir os terreiros.









segunda-feira, 16 de novembro de 2015

O homem nas religiões e Orunmila


Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

As religiões foram criadas para conduzir o homem de volta a sua essência divina, essa empreitada é bastante difícil e alguns acreditam que só é possível após a morte.

Então eu faço a seguinte pergunta, se só vamos evoluir após a morte porque nascemos?

A verdade é que a historia humana é cheia de perguntas e respostas, muita mais perguntas do que respostas e foram esses inúmeros questionamentos que conduziram os homens para criar doutrinas religiosas como respostas a suas indagações.

Na maioria das religiões a sensibilidade dos profetas gerou as escrituras que codificam os ritos e as normas religiosas.
No cristianismo Jesus e outros profetas ouviram a palavra de Deus em uma comunicação muito intima e esclarecedora, tanto é que desses contatos foi criada a bíblia.

No islamismo Maomé foi o interlocutor entre Deus e os homens, já no Budismo Siddhartha foi o mensageiro.

No judaísmo o velho testamento e o Tora mencionam Moises e outros profetas.

Em nossa religião não fi diferente Deus (Olódùmarè), se comunicou com Òrúnmìlà e foram criados os versos de ifá, nesses versos são explicitadas regras de convivência sociais e religiosas.

Qualquer pessoa que tenha a pretensão de conhecer a religião tradicional yoruba tem que estudar Ifá, nos versos de ifá cada ritual tem um significado e cada Òrìșà tem a sua historia descrita.

A diferença entre uma religião e uma seita é a doutrina adotada que deve codificar o comportamento dos adeptos, se cada pessoa cria suas próprias regras a religião deixa de existir.

Faz muito tempo que eu escrevo sobre a necessidade dos religiosos estudarem independente de qual religião pratiquem, um religioso deve saber respeitar as outras religiões, deve estudar ética e reconhecer nos diferentes a igualdade.

A falta de credibilidade de alguns sacerdotes não é culpa das religiões e sim do caráter dos mesmos, homens e mulheres gananciosos na ânsia do poder se intitulam profetas de suas próprias ideias.

Estudar é preciso, mas ter princípios é fundamental.






sábado, 14 de novembro de 2015

Orixá a transformação e Orunmila.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Algumas pessoas vieram me perguntar se existe pecado na religião tradicional yoruba, é interessante o raciocínio das pessoas que praticam uma religião mais não a vivenciam.

Vamos analisar o seguinte exemplo:

O sujeito chega em sua casa no fim da tarde cansado do trabalho, beija a sua esposa e diz para ela que estava com muita saudade e que a ama muito.

Na realidade ele não estava no trabalho, ele estava em um lugar reservado com outra mulher com a qual mantém um relacionamento escondido.
O sujeito em questão diz que estava trabalhando, mas na verdade ele engana, mente e ludibria as pessoas em seu trabalho.

Será que existe lei do retorno para essas pessoas no mínimo equivocadas em seu agir e seu pensar?

 O orixá não esta enxergando tudo isso?

Não importa se o motel é na barra da tijuca ou em Paris, ou se o dinheiro esta na cueca ou em uma conta na Suíça, os orixás tudo veem e tudo sabem.

 O que acontece é que em todas as religiões temos o livre arbítrio e quase tudo que aqui se faz aqui se paga.

Quando assumimos um comportamento improprio ou inadequado com consciência do que estamos fazendo, as lembranças assumem a posição de carrasco.

Se os olhos estão abertos e as pessoas estão conscientes, a imagem é capturada e imediatamente arquivada no cérebro.

Dessa forma quando as pessoas se conscientizam das falhas, terminam sendo vitimas de suas lembranças, além é claro de se distanciarem da essência positiva do orixá.

Os equívocos e as falhas fazem parte de nosso dia a dia, a perfeição é quase impossível, porém quando os mesmos erros se repetem isso deixa de ser um equivoco e termina sendo um traço negativo da personalidade.

A razão primeira de cultuar orixá é religar com o divino, todo iniciado tem obrigação de melhorar, a necessidade de evolução e do aprimoramento do caráter exterioriza o sentimento mais comum que é a sobrevivência.

O ifá é desaconselhável para os que se consideram perfeitos, só quem pretende melhorar deve ser iniciado, quem não quer seguir regras e obedecer à hierarquia é por que sabe mais que o orixá então deve criar a sua própria religião.

·         "Texto para iniciantes".















sexta-feira, 13 de novembro de 2015

O maior de todos os feitiços,a palavra de Ifá.


Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola


Nos encontros que tenho com as pessoas para falar sobre ifá sou surpreendido com a quase total falta de conhecimento das pessoas sobre os orixás.

Fico muito aborrecido quando ouço algumas afirmações cobrando dos orixás transformações que jamais deveriam ser atribuídas as divindades, o homem é um ser mutável e pré-disposto a assimilação rápida, o convívio deveria implicar em um amadurecimento e na evolução da espécie ao contrario disso me deparo com inúmeras pessoas que o cabelo ficou branco, mas que a total falta de caráter predomina, contradizendo a máxima que o homem amadurece e fica sábio.

O maior de todos os feitiços aquele que sentencia o homem ao insucesso, é a falta de caráter, quando o individuo rouba, trai e mente ele se afasta da sua essência, primária, divina.

 A origem do homem é fruto de Deus, mas o homem enquanto produto constituído fruto do divino com suas atitudes distancia-se dos benefícios criados por Olódùmarè e os orixás, a mudança de atitude é o ponto de partida para a evolução.

Sendo assim a mudança deve ser a partir do comportamento e das atitudes, para que aja a transformação o processo deve acontecer de dentro para fora e não ao contrario, o bom caráter abre caminhos e cria oportunidades atraindo a sorte.

É comum ver sacerdotes preparando ebos para seus iniciados com o intuito de afastar as negatividades, sem que tenham abordado com seus discípulos questões que envolvem o bom comportamento e as atitudes positivas implicando assim na grande maioria das vezes em uma sequencia de insucessos.

A tolerância, a paciência, a bondade e o desprendimento assim como a honestidade e a verdade implicam no processo de limpeza dos canais de comunicações com o orixá, o bom caráter fala e é ouvido, o mau caráter reza e não é escutado.

A avareza, o egoísmo e a mentira assim como a traição e a desonestidade isolam o homem dos orixás e de seus semelhantes, a postura negativa é sem dúvida a maior das magias maléficas.

Dizem que o mestre aparece quando o discípulo está bem preparado, na verdade o discípulo só esta preparado quando os dois tem bom caráter, o exemplo é a melhor de todas as lições contrariando sempre a frase que diz “faça o que digo, mas não faço o que faço”.

Nos versos de ifá encontramos orientação de qual caminho seguir, porém se somente passamos por cerimonias e dentro de nós nada muda não chegamos a lugar nenhum.

Por essa razão antes de reclamar que você não tem sorte analise as suas atitudes.








quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Orixá Oxum



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Quando Yemanja deu a luz a uma bela menina percebeu que ela esta com um pequeno ferimento no umbigo que em pouco tempo ficou inflamado, por essa razão ela resolveu consultar Òrúnmìlà sobre a saúde da filha.

Òrúnmìlà orientou um efó conhecido até hoje como Omolokun (Omo filha, Olókun, dono do mar) a filha de Olókun é yemonja, teria que fazer um ebó para sua filha que consistia em uma espécie de òlele (feijão cozido e temperado que deveria ser oferecido com alguns ovos na beira do rio), a menina ficou curada, cresceu e ficou conhecida como Oxum.

Oxun é o Orixá cultuado no rio mais famoso do território Yoruba, seu principal santuário é na cidade de Osogbo (Oṣé Owonrin), essa cidade foi criada após a chegada de um povo que estava fugindo da guerra, conta a historia que o líder desse povo teria feito um acordo com o espirito de uma mulher que apareceu nas aguas conhecida como Oxum, (Odu Oṣé Ogbe).

Se nós fossemos considerar o arquétipo dos descendentes de Oxum baseado exclusivamente nas características dos orixás poderíamos dizer que elas são vaidosas, charmosas, vingativas e muito bonitas.

Os presentes oferecidos a Oxum comumente são mel, ovos, feijão cozido (òlele) e peças em bronze (braceletes), além de osun (pó vermelho), obi e Orobó.

(Texto para iniciantes).




terça-feira, 10 de novembro de 2015

Orixá Ọya.


Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

A herdeira do território de Ira com a perda de seu pai assumiu a liderança de seu povo, (Onira) em um período de muitas guerras e grandes dificuldades.

Ọya foi orientada por seus conselheiros a unir-se ao seu povo, o grande exercito de Ọ̀yọ.
Já na audiência com o rei surge uma forte atração de ambos que movidos por uma intensa paixão unem se em matrimonio.

Durante o relacionamento dos dois, dizem alguns historiadores, que a grande rainha teria tido alguns problemas para engravidar e que até teria tido a perda de alguns filhos, porém ficou gravida e por uma razão que não vem ao caso agora teria enviado seus filhos para serem criados longe do reino de Ọ̀yọ.

Em meio a conflitos, conspirações e golpes políticos o soberano Xangó é destronado e foge com Ọya e alguns seguidores, chegando a Koso em desespero tira sua vida enforcando-se.

Ọya desesperada após a morte de seu grande amor, segue a fuga para a cidade de Ira e se suicida, tomando veneno diante de alguns de seus seguidores, que assumem a mesma postura dos seguidores de Xangó, fazendo desaparecer o seu corpo, dando origem assim ao culto desse belo orixá.

Com esse relato simples e de fácil assimilação simplificamos a complexidade do que é descrever uma mulher fiel e apaixonada por seu marido e infinitamente dedicada ao seu rei.

Os sentimentos descritos acima determinam um comportamento extremista e agressivo para manter um compromisso, se é que podemos definir as descendentes de Ọya por um arquétipo seria o da mulher confiável e dedicada a seu marido e aos seus filhos.

Para Ọya a traição é impossível e a falta a um compromisso se iguala a morte, descrever Ọya é descrever a fidelidade eterna.

Ọya é um orixá ligado à cor vermelha, representada pelo osun (pó vermelho), em seu assentamento encontramos chifres de búfalos e edun ara como o descrito nos versos de Ifá.

Esses relatos podem ser encontrados no odu Osa Owonrin e Okanran Meji, e outros.

“Texto para iniciantes”.








sábado, 17 de outubro de 2015

Isefa, pre iniciação em Ifá. 



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola


Uma quantidade grande de pessoas me procura com a seguinte pergunta, qual a influencia de Ifá no dia a dia das pessoas iniciadas?

Quase sempre a falta de tempo me impede de abordar a questão de uma forma mais ampla, diante disso resolvi dedicar um texto exclusivamente a essa questão.

O Ifá da segurança ao iniciado e isso faz com que ele desenvolva uma qualidade de vida jamais experimentada, a certeza que a pessoa está no caminho certo fortalece os planos para o futuro com a convicção que o sonho não é possível.

Quando o sujeito identifica a sua origem ele planeja o futuro com os olhos no presente e o coração cheio de elementos que o fortalecem vindos do passado.

O itefa já foi mencionado por mim em outro texto como o inicio da vida, cada pessoa tem o direito de ter a sua opinião, eu penso dessa forma por ter estudado Ifá.

Eu sempre digo a seguinte frase “o Òrìșà é o veiculo na estrada da vida e o Ifá é o mapa que indica qual o caminho que deve ser seguido”.

 Para quem não foi iniciado no Ifá isso que descrevi acima deve parecer estranho, mas imaginem como a vida é facilitada se sabemos em que somos fortes e em que situação somos mais vulneráveis.

A decisão é livre, você escolhe o caminho, mas se temos informações privilegiadas sobre o nosso destino errar fica mais difícil e a escolha certa fica facilitada.

A verdade é que o Ifá beneficia em muito todo aquele que foi iniciado, mesmo o pré-iniciado aquele que faz ISEFA.

No Isefa o pré- iniciado recebe orientação de qual caminho seguir, assim como lhe é indicado Òrìșàs para culto e outras questões ele recebe um nome para ser identificado dentro do Ẹgbẹ, embora em algumas famílias não seja dado o nome para quem faz isefa no ifá praticado em Osogbo, Lagos e outras cidades isso é normal.

O ifá é único, mas as famílias e as interpretações do ifá podem ser diferentes, o bom sacerdote é aquele que respeita as diferenças, os nigerianos iniciados em ifá discutem em publico futebol, politica e outros assuntos, jamais discutem religião, dizer que isefa não tem nome como sendo uma única verdade é se disser dono da verdade.

Na foto o Araba Awodiran faz o isefa do pequeno Ifágbaíyin que recebe esse nome em razão de seu odu, as pessoas que discordarem do Araba Awodiran podem entrar em contato no facebook dele.





sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Itelodu e o sacerdote de Orunmila.




Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Muito se tem falado sobre ifá nos últimos anos e muito se tem escrito sobre os rituais de iniciação, porém me causa espanto a falta de concordância na abordagem no Brasil sobre temas que no território yoruba são descritos da mesma forma por todas as famílias.

Buscando esclarecer os nossos leitores sem ferir qualquer norma na divulgação de uma abordagem indireta iniciamos aqui um dialogo deixando claro que não somos os donos da verdade, mas sim temos a maior tranquilidade para descrever o que é praticado por nós em por nossa família na Nigéria em todos os rituais.

Até pouco tempo atrás a falta de contato com os yorubanos dificultava a confirmação do que é escrito aqui no Brasil, sugiro as pessoas que tenham dúvidas sobre o que eu vou escrever que busquem informações com Bàbàláwos nigerianos.

O itelodu além do reconhecimento do filho (Bàbàláwo), por sua mãe (Iya odu), traduzindo de uma maneira didática seria o equivalente ao reencontro de uma mãe com um filho, que por alguma razão ficou afastado.

Essa cerimonia de infinita beleza e da maior seriedade caracteriza que a partir daquele momento o awo pode em um futuro se tornar um bom sacerdote ou não.

 O itelodu não exime os faltosos das implicações em suas atitudes, como já disse em outras oportunidades, uma iniciação não é salvo conduto para falta de caráter, assim como não serve de proteção para os inescrupulosos, o fato de você ser iniciado no culto de Iya odu não torna ninguém intocável.

Ìtélè em Yoruba significa começo, assim poderíamos descrever o começo da relação de um filho com sua mãe, na cerimonia do itelodu o awo entra vendado em uma sala completamente escura, o que caracteriza o seu desconhecimento sobre aquele ritual e a sua confiança no que esta por vir, de coração aberto e alinhado com o seu destino o possível novo sacerdote vai depender muito de seu caráter e de sua postura para que tenha o apoio de sua mãe.

Vi na internet um texto que descreve o itelodu como o momento que é sacado um novo odu para o sacerdote, no território yoruba isso não existe, no novo mundo por interesses que não vamos apontar aqui, o itelodu passou a ser parte de uma cerimonia que comumente é única na Nigéria.

Vou explicar melhor:

Se em consulta que antecede a iniciação o iniciado é apontado como um provável Bàbàláwo, dentro do Igbodu na hora que é tomado conhecimento do odu de nascimento do mesmo a continuação do ritual e a apresentação a Iya odu dão inicio ao itelodu, isso é como uma consequência inalterável, embora também possa acontecer que no itefa fique constado que o awo tenha um caminho diferente que o de Bàbàláwo.

Porem quando é identificado o Bàbàláwo o itelodu e o itefa fazem partem de um mesmo processo, já na hipótese que um awo por qualquer razão venha fazer o itelodu separado do itefa o odu de nascimento não muda e o terceiro odu extraído no itefa só demonstra as orientações de ifá para o dia a dia, o terceiro odu conhecido como pada odo (a volta do rio), não é o odu de nascimento, o odu de nascimento é um só, sendo sacerdote o odu permanece o mesmo, os ewos permanecem os mesmos e a indicação dos principais orixás a serem cultuados continua a mesma.

O odu de sacerdócio evidentemente é o odu de nascimento que indica aquela atribuição, não porque o awo foi submetido a uma cerimonia e sim porque ele nasceu com essa escolha que foi testemunhada por Òrúnmìlà.

Existe três formas bem distintas de alimentar Iya odu, na primeira parte do itefa é alimentado de uma maneira, na confirmação do itelodu Iya odu é alimentada de outra forma e na consagração de Iya odu (recebimento do Igbá) Iya odu é alimentada de outra forma que uni as duas anteriormente citadas em um só ato, qualquer uma dessas cerimonias comumente é efetuada em três dias.

Gostaria de detalhar mais essa questão porem para uma melhor compreensão dos nossos leitores indico o texto em nosso blog:

http://www.babalawoifagbaiyin.com/search?q=do+itefa+ao+itelodu





terça-feira, 6 de outubro de 2015

A escolhida de Ifá.


Autor: Bàbàláwo Ifágbaíyin Agboola.

Através do projeto Ifá é para todos, buscamos facilitar o aceso a religião tradicional yoruba, é com grande prazer que apresentamos a primeira criança do nosso projeto que foi escolhida para estudar ifá na Nigéria, parabéns Ifajare Ajobi Agboola.

Todas as despesas serão da responsabilidade do Egbe Ifá Agboola.

Por uma questão histórica o Brasil não tem o número de sacerdotes de ifá ideal para à orientação e divulgação do culto a Òrúnmìlà, o projeto propõe facilitar as iniciações das crianças com indicação de ifá para itefa buscando a solução para essa questão, na tentativa de que em um futuro tentamos o culto a Òrúnmìlà fortalecido em nosso país.

O que é ifá: É um oraculo usado na religião tradicional yoruba, ligado ao culto do Òrìșà Òrúnmìlà.
O que é isefa: Pré-iniciação, orientação momentânea, não é considerada iniciação, no isefa não raspa a cabeça.

O que é itefa: Iniciação em ifá buscando orientar o iniciado alinhando o individuo com o seu destino, nesse ritual raspa a cabeça do iniciado.

O que é itelodu: É a iniciação do sacerdote de ifá, as pessoas submetidas ao itelodu dependendo da sua dedicação podem se tornar bons Bàbàláwos.

A capacitação de um Bàbàláwo leva muitos anos, a pessoa submetida ao itelodu não tem uma autorização imediata para consultar ikin e opele.

O que é opele e ikins: O opele assim como o ikin são formas diferentes de consultar ifá.

O que Iyanifa: É uma sacerdotisa de ifá que depois de vários anos de estudo poderá ou não ser autoriza a consultar opele e ikin.

O que é awo ifá: É uma denominação comumente usada para identificar qualquer pessoa submetida ao itefa, inclusive babalorisas.

Babalorisa submetido ao itefa incorpora?

Sim, o babalorisa incorpora mesmo sendo um awo ifá.

Bàbàláwo incorpora: No território yoruba é impossível um Bàbàláwo incorporar.

O que é omo ifá: Denominação comumente usada para as pessoas submetidas ao isefa.

Desde outubro de 2009 nos foi permitido escrever sobre religião na internet, os esclarecimentos abaixo fazem parte das orientações divulgadas por nós.






domingo, 4 de outubro de 2015

A semente esta sendo lançada em Ifá

Autor: babalawo Ifagbaiyin Agboola

O projeto Ifá é para todos tem a honra de apresentar os jovens Babalawos, essa é a garantia que no futuro ifá estará bem representado em nosso país.

Parabéns a ojugbonan iyanifa Ifademilade Ajobi Agboola.

Esse Babalawo em menos de seis meses já sabia fazer ebo riru eo mais importante ele sabe a tradução e o sentido mais profundo desse ritual.

Parabéns Awo Ifápónmilé Ajobi Agboolá.,

https://www.youtube.com/watch?v=lp8w2qlGg8Q








sábado, 3 de outubro de 2015


Projeto ifá é para todos!



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

O projeto ifá é para todos visa inicialmente divulgar a religião tradicional yoruba, facilitando o acesso para consultas e esclarecimentos sobre a religião dos Òrìșàs.

Em um primeiro estágio estamos fazendo a cerimonia de isefa gratuitamente para crianças com a intenção de identificar futuros Bàbàláwos e iyanifas.

Por uma questão histórica o Brasil não tem o número de sacerdotes de ifá ideal para à orientação e divulgação do culto a Òrúnmìlà, o projeto propõe facilitar as iniciações das crianças com indicação de ifá para itefa buscando a solução para essa questão, na tentativa de que em um futuro tentamos o culto a Òrúnmìlà fortalecido em nosso país.

O isefa é GRATUITO.
O Itefa é GRATUITO.
O itelodu é GRATUITO.
O treinamento no Brasil é GRATUITO.
O treinamento na NIGÉRIA é GRATUITO.

Essas crianças devem ser preparadas e treinadas dentro dos princípios tradicionais yorubas.
A vinda do Araba Awodiran Agboola ao Brasil confirma o apoio de nossa família na Nigéria e no Brasil ao nosso projeto.

Os familiares das crianças submetidas aos isefas serão orientadas para a preparação e o agendamento dos itefas dando continuidade ao processo.

As crianças escolhidas juntamente com seus familiares tem a oportunidade de e escolher ou não dar seguimento a iniciação adequada juntamente com os sacerdotes do egbe Ifá Ogbe Bara.






quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Pobres daqueles não conhecem Orunmila.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Como vivemos em uma democracia é natural que temos ou mais cedo ou mais tarde em qualquer profissão aceitar ou pelo menos tentar entender as criticas.

O mais difícil das criticas é a exteriorização muitas vezes de um conhecimento hipotético, traduzindo isso, é ouvir alguém falar sobre o que você domina com total desconhecimento.

O termo crítica provém do grego kritikē (κριτική), que significa (a arte de) "discernir", "separar", "julgar". É um ato do espírito que preserva o que merece ser afirmado e põe em dúvida a pretensão daquilo que pode ir além do seu domínio de aplicação e, portanto, não merece ser afirmado (Dicionário Etmológico Online).

Imaginem Euryclides de Jesus Zerbini o grande cirurgião do coração recebendo criticas de um perito em prospecção de petróleo ou Edson Arantes do Nascimento (Pelé), recebendo criticas da sua habilidade enquanto jogador de futebol de um cantor de rock. Guardando as devidas proporções é mais ou menos isso que vejo acontecer com o nosso trabalho.

Em alguns momentos de nossa trajetória enquanto sacerdotes somos surpreendidos por algumas afirmações que provocam risos, professores, jornalistas e escritores não iniciados já tentaram fazer uma analise do nosso trabalho e do nosso projeto (Ifá é para todos), nos últimos três anos iniciamos quase mil e quinhentas pessoas, escrevemos mais de seiscentos textos e obtivemos aproximadamente oito mil fotos que documentam a nossa iniciativa é muito desconcertante ouvir criticas de alguém que não é iniciado.

Seria muito engraçado se não fosse ridículo assistir pessoas que nunca iniciaram ninguém comentar sobre o nosso desempenho enquanto sacerdote, nos cinquenta quatro anos que estamos na religião conseguimos alguns milhares de fotos do nosso trabalho, só no facebook disponibilizamos mais de seis mil fotos, e um sujeito que não tem foto nem da iniciação dele que ele diz ter feito tenta crescer na nossa sombra.

Um itelodu (a feitura de um Bàbàláwos) tem mais de cinquenta rituais, cada um deles descrito em um odu imaginem uma pessoa que não é iniciada em ifá escrever um texto comentando sobre a área do iodou e sua localização, assim como os rituais que se desenvolvem em seu interior, do fundo do coração, é de sentir pena dessas pessoas, pobres desavisados.

Pensando em orientar esse tipo de critico disponibilizarei parte de alguns textos que escrevi, se esse pessoal estudar bastante dentro de alguns anos vamos poder debater sobre o que hoje eles ignoram.

*Existe algumas coisas que devem ser esclarecidas, uma pergunta frequente é relativa a preceito, sexo e pecado, no Odu Oworin Ofun, fala que o sacerdote não deve fazer sexo com sua esposa naquele dia, ele está comprometidas com os rituais, todos as orientações de comportamento podem ser encontradas nos versos de Ifá, no Odu Osa Otura, fala que devemos sempre falar a verdade, no Odu Ogundakete, diz que não devemos roubar.

Um texto de Ifá muito conhecido do Odu Osetura, fala da importância das mulheres, do respeito que os homens devem manter por suas esposas, filhas e por suas mães, outro texto do Odu Ofun Meji, diz que o iniciado em ifá deve ver Iya Odu e se tornar um Bàbàláwo, já no Odu Ogbe Meji, fica claro que a principal esposa de Òrúnmìlà só pode ser cultuada por quem passou por um ritual chamado Ipanadu (cerimonia que o awo se torna um Bàbàláwo, momento que apaga se a luz para ver Odu).


No Odu Ogbe Yonu,fala sobre a relação financeira homem e a família da esposa diz que até o casamento todas as despesas da mulher devem ser mantidas pela família, mas depois do casamento o marido não deve deixar que a mulher passe necessidades, a manutenção da casa é responsabilidade daquele que assumiu a relação diante da família.

Ainda no Odu Ogbe Yonu, vamos encontrar dados referentes ao casamento de um Bàbàláwo, nesse Odu diz que não deve haver a separação e nem o adultério, que as pessoas deveriam antes de assumir uma relação pensar bastante, fala ainda que aquele que escolheu viver com uma única mulher deve respeita-la e protege-la, ainda nesse Odu vamos encontrar uma advertência contra o uso de magia maléfica contra o cônjuge, nesse caso Ifá vai se lançar em sua defesa e não sabemos o que pode acontecer; nesse Odu diz que o Bàbàláwo deve ter uma postura digna e não deve se envolver com outras mulheres, a punição para o sacerdote que não cumprir essa orientação diz Ifá: (que ele nuca vai atingir o sucesso em seu trabalho).

Obs: Com respeito ao numero de esposas o Bàbàláwo deve seguir a orientação do seu odu e buscar uma forma de respeitar a cultura local, podemos tomar como exemplo o odu Oyeku Meji a onde ifá diz:

Que aquele nascido sobre esse signo só pode ter uma esposa, é evidente que também podemos considerar a leis de cada país, no Brasil é crime manter se casado com mais de uma pessoa.

O Odu Ogbeyonu, fala da punição do Bàbàláwo, que desejar a mulher de outro Awo, diz Ifá (aquele Bàbàláwo ou iniciado em Ifá que deitar com a mulher de outro awo, não deve ver outro amanhecer).

No Odu Ogbe Meji, a necessidade do comportamento digno é enfatizada, de tal forma que a punição seria o infortúnio, a falta de sucesso e o total esquecimento, o abandono do sacerdote, suas orações não devem ser ouvidas, essa é uma das punições mais temidas, a relação homem Òrìṣà deixa de existir.

No Odu Obara Egutan Encontramos em detalhes, a relação de um Bàbàláwo, com a sua Apetebi, nesse verso de ifá diz (a escolha da esposa de um Bàbàláwo é apontada por Ifá quando ela nasce), existe vários Odus que indicam essa relação, assim como também existe uma identificação bem clara nos versos de Ifá sobre quem deve se tornar um Iniciado e quem deve se tornar um Bàbàláwo, ver Odu: Ogbe Meji, Oturupon Meji, Irete Meji, Iwori Meji etc.

No Odu Oworin Sindin, aparecem algumas indicações sobre a necessidade do homem cumprir o seu destino, assim como no Odu ogbe Ogunda, fala do cuidado com o Ori e a relação do homem com o destino por ele escolhido, tendo como testemunho Orunmila, isso nos remeti a uma reflexão encontrada no Odu Ogbe Meji (nem um homem deve se comprometer com um Òrìṣà antes de conhecer o seu destino) essa afirmação indica claramente que o homem deve conhecer a indicação de Ifá para ter uma orientação sobre a sua vida religiosa, não é o homem que escolhe o Òrìṣà é Ifá quem indica os Òrìṣà que devem ser cultuados.

No Odu Obara Kosun, fala da punição violenta caso o iniciado não respeite o seu sacerdote e vice versa, o respeito deve ser mantido a qualquer custo assim como a segurança da egbe (família) o sacerdote deve usar todos os recursos que possui para proteger a sua família, dele será cobrado à omissão.

Ainda no Odu Obara Kosun, Ifá alerta sobre o uso do Opele, quem pode usar e sobre a remuneração, aquele que não usar o Opele com dignidade jamais vai ver o sucesso, nesse verso ifá deixa claro que um sacerdote não pode mentir e usar um instrumento de consulta em seu beneficio, jamais será aceito qualquer tipo de mentira usando o nome de Ifá.

O Odu Ogbe Alara, fala de Iwa (caráter) a indicação é clara nesse odu, a necessidade de manter uma postura reta, faz parte do dia a dia do iniciado, temos a obrigação diante dos Òrìșàs, de manter um comportamento que honre toda nossa família e nossos antepassados, independente de nossa idade, a juventude não é desculpa para o erro a pouca idade, é característica que indica a inocência e não a má conduta, fica bem clara no verso do Odu Ofun Oṣé, que diz (é preferível um sacerdote jovem e honesto que um velho sem caráter).

Nos versos de Ifá vamos encontrar inúmeras recomendações de comportamento, inclusive referente à higiene, no Odu Oṣé Odi, consta uma relação bem clara sobre a necessidade de se manter limpo e com o corpo asseado, ainda nesse Odu diz Ifá (o homem tem responsabilidade com seus filhos até que possam se manter, encontrar uma ocupação e ter sua renda, é responsabilidade dos pais manter os filhos menores).

O Odu Obara Kosun, em seus textos indica que a pessoa que foi iniciada no culto aos Òrìșàs ou no culto a Ifá deve fazer oferendas às divindades e manter os seus assentamentos em ordem, limpos o Oṣé (limpeza semanal) é responsabilidade do iniciado e não do sacerdote.

Ainda falando do comportamento de um Bàbàláwo, diz Ifá no verso do Odu Ofun Gbadara, as coisas de Ifá não devem ser comercializadas por um Bàbàláwo, (um Bàbàláwo não deve ser um comerciante), nesse mesmo Odu diz (aquele que lhe prestou um favor, lhe deu uma ajuda deve ser recompensado) todo trabalho espiritual tem que ser remunerado, se não for assim como o sacerdote vai poder manter os seus assentamentos e continuar atendendo as necessidades dos que o procuram.

O Odu Ofun Nagbe, fala da prosperidade do Sacerdote fala que aquele que trabalha corretamente terá uma vida tranquila, assim como aquele que possui Ikin nunca lhe faltara o alimento (Odu Idin Ka).

Um verso do Odu Ogunda Ogbe, orienta sobre o dia do Oṣé semanal, um dia da semana devem ser reservados para cuidar dos Òrìșàs, nesse dia os assentamentos dos Òrìșàs devem ser limpos, já no Odu Okanran Obara a orientação é sobre o assentamento de Egúngún, diz Ifá (aquele para quem aparece esse Odu deve manter viva a imagem de seus antepassados, essa pessoa deve ser iniciada no culto a Egúngún e deve honrar todos de sua família, com um assentamento que deve ser mantido sempre limpo e bem cuidado, é obrigação dessa pessoa escolher um sucessor que ira manter esse assentamento para que esse culto não deixe de existir.

No Odu Iwori Meji, fala sobre fazer magias para quem não tem como se defender, sobre o uso do conhecimento de um sacerdote contra quem não merece tal atitude, diz Ifá (aquele que ataca um inocente a maldade e a destruição voltariam para prejudica-lo).

No Odu Osa Meji, está bem claro que não devemos julgar o nosso semelhante, só Ifá pode saber o futuro de cada pessoa diz Ifá: (um Orí coroado não pode ser reconhecido por um ser humano, só Ifá identifica o Orí que será beneficiado), não devemos menosprezar ninguém.

O Odu Oturupon Ofun, fala sobre o suicídio, não é permitido a ninguém essa pratica só Ifá sabe e pode mudar o dia da morte, ainda nesse Odu diz Ifá: à longevidade não é encantamento, devemos nos afastar de tudo que possa diminuir o tempo de nossa vida, devemos fazer tudo para alcançar a longevidade.

No Odu Ogbeyonu, Ifá é bem claro não devemos ser arrogantes dentro da relação afetiva, devemos buscar o companheirismo como forma de melhorar os relacionamentos.

Em Ika Ogunda, ifá fala sobre a necessidade de orar para obter sorte e prosperidade, o homem deve manter suas orações, como forma de disciplina e humildade, nesse Odu assim como no Odu Ogbe Ogunda, diz: o horário de fazer as orações preferencialmente pela manhã logo que acordamos.

O Odu Osetura, diz não devemos nos exibir, devemos manter uma vida regrada e sem exageros, um homem não deve discriminar uma mulher e uma mulher não discriminar um homem, um velho jamais deve ser discriminado por jovem da mesma forma que um jovem não deve ser discriminado por um mais velho, o respeito deve existir indiferente da idade ou sexo.
No Odu Otura Irete, Ifá diz: (a bondade deve ser cultivada como forma de gratidão) a bondade deve ser praticada, não devemos ser ingratos, só Ifá sabe se não vamos necessitar em um futuro da ajuda de quem nos beneficiou no passado, não devemos desfazer de quem um dia nos ajudou.

O Odu Otura Ofun, deixa bem claro a necessidade de manter os ebós indicados por Ifá, se uma pessoa consulta, toma conhecimento do problema e não fazer os ebós indicados a responsabilidade deixa de ser do sacerdote.

No Odu Òtúrúpon`Otúa, fala sobre a necessidade do sacerdote estudar e ter conhecimento para honrar seus antepassados com sua capacidade, diz Ifá: é responsabilidade do iniciado, assim como do sacerdote o aprendizado, a capacitação daquele que abre as portas para o atendimento é uma responsabilidade assumida diante de Ifá, todo ato praticado dentro da casa de Òrìṣà tem que seguir a orientação dos versos de Ifá; no Odu Iwori Otura, fala sobre a disciplina dos estudos e a educação do iniciado em Ifá deixando bem claro que devemos nos dedicar para obter uma educação adequada. O Odu Irete Ofun, fala do estado de perfeição e o alinhamento com Olódùmarè se não somos perfeitos devemos buscar a melhor forma de se assemelhar com a perfeição.

O Odu Iwori Ofun, fala do respeito que temos que manter por todas as pessoas, se queremos ser respeitados, devemos respeitar todas as pessoas sempre, a vida é um benefício recebido das mãos de Olódùmarè cabe a nós tornar digno o viver.
- Se no odu otura ìwòrì está bem claro que um Bàbàláwo não deve fazer uma iniciação em ifá sozinho, como é que alguns Bàbàláwos no Brasil viajam sozinhos fazendo itefas e itelodus?

Se no odu otura ìwòrì diz que um Bàbàláwo não pode comercializar as coisas de ifá como é que alguns Bàbàláwos vendem roupa, obi e Orobó?

Se ifá indica no odu ose Irete que o Bàbàláwo deve fazer a iniciação diante de Opa Osun, como é que pessoas que não foram iniciados nesse orixá podem iniciar em ifá?

Se no odu Ìká Òfún diz que só podemos dar o que temos, como pode um Bàbàláwo que não tem Iya odu e não é iniciado em Ògún usar o obé?

Esses são alguns questionamentos que nos fazem pensar sobre o ifá que é praticado em nosso país.

O fato é que o território Yoruba está longe do nosso país dificultando a comunicação, sendo assim por falta de informação as pessoas que faziam parte do culto ao orixá afro brasileiro terminam improvisando dando origem a uma grande mistura.

Considerando que todos os ensinamentos estão contidos nos versos de ifá, o iniciado deve estudara palavra de Òrúnmìlà.

Nesse texto vamos divulgar alguns versos de Ifá e a sua utilidade:

Ogbè Méjì – Fala sobre respeito a figura materna.
Ìretè Méjì - Fala sobre o uso Ewé Tete.
Òtúá Méjì – Fala sobre o uso da esteira para adivinhação.
Òyèkú Méjì – Fala que o homem deve ter somente uma mulher.
Ìwòrì Ogbè – Fala da criação dos Ikins.
Òdí Méjì – Fala da necessidade de ouvir os outros.
Òbàrà Méjì – Fala de lavar a cabeça com folhas para obter bons resultados.
Ògúndá Méjì – Fala que o homem obtém reconhecimento com seu trabalho.
Òtúrúpòn Méjì – Fala sobre o uso da Ewé gbegi e da necessidade de alimentar o ifá constantemente.
Ogbe Otura – Fala sobre a hierarquia no ifá.
Ogbe Ose – Fala sobre o uso do ekodide.
Oyeku Ogbe – Fala da necessidade de consultar o Bàbàláwo.
Oyeku Owonrin – Fala que o adultério levará a morte.
Oyeku Ogunda – Fala que fazendo o ebó a pessoa supera o problema.
Oyeku Oturupon – Fala sobre a necessidade de perdoar.
Oyeku Otura – Fala que a pessoa tem a sorte dupla.
Oyeku Ose – Fala da saudação aos babalawos.
Iwori Odi – Fala sobre o sexo dos bichos a serem sacrificados.
Iwori Okanran – Fala que a pessoa mente ao Bàbàláwo / Iyanifa
Iwori Osa – Fala da falta de caráter.
Iwori Irete – Fala da necessidade de dar esmolas e ter bom caráter para evoluir.
Iwori Ose – Fala que quem tem bom caráter será recompensado.
Iwori Ofun – Fala que a pessoa deve respeitar quem merece.
Odi Oyeku – Fala que a pessoa deve ter uma postura digna.
Odi Obara – Fala que a pessoa deve manter algumas coisas privadas.
Odi Otura – Fala que a pessoa deve consultar antes de casar.
Odi Ofun- Fala sobre a necessidade de ebó.
Ìrosùn Obara – Fala sobre a necessidade de estudar.
Ìrosùn Ogunda – Fala que não se deve pedir coisas negativas a Exu.
Ìrosùn Osa – Fala que a pessoa deve ter Iniciação para ter sucesso.
 Ìrosùn Ika – Fala de prestigio, fama e reconhecimento.
Ìrosùn Oturupon – Fala sobre animais de uma única cor para sacrificar em ebós para adquirir prestigio.
Ìrosùn Irete – Fala sobre iniciação em ifá, Itefa.
Ìrosùn Ose – Fala sobre a necessidade de consultar ifá.
Ìrosùn Ofun – Fala sobre a necessidade de lavar o ori com Omiero.
Owonrin Ogbe – necessidade de agradar Exu.
Owonrin Odi – Fala de fazer caridade para prosperar.
Owonrin Ìrosùn – Fala de alimentar o ori para ter sucesso.
Owonrin Osa – Fala em fazer ebó para obter êxito na vida sentimental.
Owonrin Ika – Fala sobre examinar tudo com muito cuidado para ter sucesso.
Obara Odi – Fala que a promiscuidade prejudica.
Obara Osa – Fala sobre inadimplência.
Obara Oturupon – Fala sobre problemas para concepção.
Obara Ose – Fala que aquele que não cumpre as regras não evolui.
Okanran Ogbe – Fala sobre iniciação em ifá.
Okanran Owonrin – Fala sobre o pagamento do Bàbàláwo, nesse odu o Bàbàláwo deve doar grande parte do dinheiro recebido.
Okanran Obara – Fala sobre perda de bens.
Okanran Ogunda – Fala da criação do mundo, Odu que Orunmila veio a terra.
Ogunda Ogbe – Fala da mulher que manda no marido.
Ogunda Owonrin – Fala sobre inveja.
Ogunda Oturupon – Fala sobre boa sorte, riqueza, abundancia.
Ogunda Okanran – Fala sobre comercio improdutivo.
Ogunda Ose – Fala que as crianças não devem ser castigadas.
Osa Iwori – Fala sobre a necessidade de usar obi.
Osa Obara – Fala sobre a necessidade de mudar-se para ter sucesso.
Osa Okanran – Fala sobre pessoa deve construir uma casa sozinha para ter felicidades.
Osa Otura – Fala sobre dizer sempre a verdade.
Osa Ofun – Fala da necessidade de manter os ewos.
Ika Odi – Fala sobre desobediência e o desrespeito aos mais velhos.
Ika Okanran – Fala sobre maus mau hábitos.
Ika Osa – Fala sobre covardia.
Ika Oturupon – Fala sobre tocar Iroke para afastar coisas ruins.
Ika Ofun – Fala sobre as regras do iniciado.
Oturupon Oyeku – Fala sobre convidar as pessoas a vir em casa para progredir.
Oturupon Ìrosùn – Fala sobre problemas conjugais.
Oturupon Obara – Fala sobre manter o corpo saudável.
Oturupon Ogunda – Fala sobre a necessidade de educar os filhos.
Oturupon Osa – Fala sobre problemas com filhos.
Oturupon Otura – Fala sobre a criação do calendário, que a semana Yoruba tem quatro dias.
Oturupon Ose – Fala sobre o uso da pimenta para afastar a morte.
Otura Ogbe – Fala sobre a impotência masculina, odu que oferece milho como ebó.
Otura Owonrin – Fala sobre a reencarnação.
Otura Osa – Fala sobre não pode fazer sociedade com alguém.
Otura Oturupon – Fala sobre Ewó bebida alcoólica, impedimento de dendê a Obàtálá uso do pano branco em ebó, Ewó de emu (vinho de palma).
Otura Ose – Fala sobre tomar banho com ose Dudu em forma de ebó.
Irete Ogbe – Fala de dar mel ao ifá.
Irete Oyeku – Fala de soltar os animais do ebó.
Irete Ogunda – Fala sobre usar nos ebós banana, banha de ori e camarão.
Irete Osa – Fala do uso do mel nos ebós.
Ose Ogbe – Fala sobre o uso da roupa branca.
Ose Oyeku – Fala sobre a necessidade de lavar os olhos para entrar em um lugar sagrado.
Ose Iwori – Fala sobre a menstruação.
Ose Odi – Fala sobre não poder ter compaixão com o inimigo.
Ose Owonrin – Fala sobre o uso das cinzas nos ebós.
Ose Obara – Fala sobre o uso de bagre em Ifá.
Ose Okanran – Fala sobre o uso de efun e o osun nos ebós.
Ose Ogunda – Fala sobre o uso das penas de agbe, aluko, odire nos ebós.
Ose Oturupon – Fala sobre o sacrifício dos igbins nos ebós.
Ose Otura – fala sobre o uso de Ewé abamoda, o uso do dedo mediano para marcar odu.
Ofun Ìrosùn – Fala sobre o sacrifício de mel.
Ofun Ogunda – Fala sobre o uso de carnes nos ebós.
Ofun Ika – Fala sobre colocar roupas novas após o banho.
Ofun Oturupon – Fala sobre o uso búzios para ebó.
Ofun Irete – Fala sobre o uso da agua nos ebós.
Ofun Ose – Fala sobre o uso de folhas de ifá embaixo do travesseiro como ebó.
* Falar sobre Iya mi é transitar pelos textos dos odus Osá meji, Ose Oyeku, Irete meji, Ogbe Sa e Irete Owonrin e Irete Ogbe, embora Iya mi se faça se presente em todos os odus.

Exu, Orunmila e Iya mi respondem nos duzentos e cinquenta e seis odus, porém em alguns é exaltada a necessidade de pactuar com Iya mi de forma a criar uma aproximação do indivíduo com a informação e a ritualística considerando que a energia já o acompanha desde o nascimento.

Vejo constantemente supostos conhecedores falando mal de Orixá e de determinados odus um desses é Osá meji famoso entre os incultos como odu negativo, é por essa razão que vamos começar falando do aspecto positivo contido nesse odu e no culto a Iya mi Osoronga.
No odu Osá meji, Iya mi Odu quando chega a terra age sem limites desrespeitando os Orixás a ponto de vestir a roupa de Egúngún, nesse odu Iya mi encontra dificuldade para dançar com a roupa de Egúngún e Ọbàtálá introduz em uma incisão do tecido com uma rede para que permita a ela conseguir enxergar.

É evidente que posterior a essas confusões algo tinha que ser feito e Iya mi deveria ser acalmada então após uma consulta a Òrúnmìlà, Ọbàtálá é aconselhado a dividir seu alimento com Iya mi. A água do igbin (omi ero), oferecida para Iya odu que imediatamente adota como o seu principal alimento, o igbin, com esse ato Ọbàtálá acalma Iya Odu.

O trabalho de um Bàbàláwo é interpretar os versos de ifá, considerando o citado acima estamos falando de um convívio harmonioso entre um personagem masculino e um feminino, a água do igbin é conhecido como a água que acalma, sendo assim esse odu fala de um período de paz e prosperidade.
Já no odu Irete Owonrin, Obàtálá tenta ludibriar Iya mi se negando a pagar um tributo para a grande mãe ancestral, Iya mi com habilidade percebe a armação e se antecipa ao embuste criado.
Interpretando essa passagem do Odu Irete Owonrin percebemos que Iya mi só quer o que é dela por direito deixando bem claro que ela não se antepõe aos Orixás ou aos seres humanos.

Em uma linguagem popular se fomos comparar o Orun a uma empresa usando assim uma didática de fácil assimilação o processo seria composto da seguinte forma:

- Olódùmarè seria o equivalente ao presidente da empresa, que teria imediatamente dois diretores de total confiança.

- Orunmila seria o equivalente a um diretor administrativo que identifica e orienta a questão.

- Iya mi seria o equivalente a um diretor executivo com a função de dar andamento as orientações
fornecidas por Orunmila, sendo assim o destino por nós escolhido diante de Ajala antes de vir para terra é testemunhado por Orunmila e informado a Iya mi.

-Iya mi não interfere na escolha de nosso destino, ela segue as orientações de Orunmila liberando os seus assistentes (ajoguns), para executarem o trabalho.

Os ajoguns, iku(morte), arun (doença), ejo (problemas),etc, são liberados por Iya mi em quase a totalidade das situações correspondendo a uma escolha feita por nós mesmos, não é Iya mi que é ruim ou perversa ela exerce uma função assim como os demais Orixás.

As pessoas iniciadas em Orixá não podem ser sepultadas em gavetas o ideal é que seus corpos sejam restituídos a terra, sendo assim o ajogun iku(morte), não é ruim, ele exerce uma função determinada por Iya mi porém em data quase sempre escolhida por nós.

No odu Ogbe Yonu, Orunmila orienta os Orixás para oferecerem efun e osun, além de várias folhas para Iya mi Osoronga, Iya mi se compromete a não atacar os filhos dos Orixás.

No odu Ogbe Sa, Iya mi se compromete com Orunmila em fazer o bem quando chega a terra, ela diz a Orunmila, que seus filhos vão ter prosperidade e felicidade.

No odu Irete meji Orunmila viaja para a cidade de Ota e descobri o segredo das Iya mi, ele oferece o prato predileto delas e eles se tornam amigos.

No odu Irete Ogbe, Iya Odu se torna a esposa de Orunmila que reconhece o poder de Iya quando ela invoca o pássaro Aragamágo como sendo muito superior ao seu.

No odu Ose Oyeku Orunmila orienta Ogun, Obaluaye, Oduduwa e Obàtálá para que façam oferenda para Iya mi que reconhece os mesmos como filhos.

A figura materna de Iya mi é confirmada em vários versos de ifá, uma mãe tem o dever de zelar pelos seus filhos, não tem o dever de agradá-los, nem tudo que uma mãe faz é compreendido por seus descendentes.

Iya mi é uma mãe zelosa e poderosa que habita dentro de cada um de nós, em nossas vísceras ela pode se manifestar de maneira positiva ou negativa. Iya mi pode criar um mal-estar para impedir que a pessoa saia de casa e seja vítima de algo que não faça parte de seu destino, o problema intestinal certamente vai ser visto de forma negativa, mas será necessário para manter a pessoa longe do perigo.

A igreja católica ao longo da história combateu a figura feminina por temer a capacidade que só as mulheres têm, que é abrigar uma nova vida dentro delas, as mulheres são muito superiores aos homens em vários sentidos, essa é a verdadeira razão do combate histórico a figura feminina. Iya mi foi uma das vítimas desse processo histórico.

Para cultuar Iya mi é necessário amar e respeitar a figura feminina, respeitar as mães, as irmãs, as filhas, respeitar a natureza e o poder de criação, Iya mi é a própria vida, é quem nos gerou, é quem nos abrigou no passado, é que nos abriga no presente, é com certeza quem vai nos abrigar em um futuro quando passarmos dessa para uma outra.

Algumas pessoas em seu odu de nascimento necessitam se aprofundar no culto a Iya mi, mais do que outras, isso se deve a própria história de cada odu e ao destino escolhido pela pessoa, de qualquer forma o culto a Iya mi pode ser praticado por qualquer um, agradar aos nossos antepassados femininos é muito mais fácil do que parece. Para agradar Iya mi temos que estar em harmonia com a natureza e com os nossos semelhantes, a essência do culto a Iya mi é a força feminina maternal que gera e mantém a vida, manter a vida é como amamentar o recém-nascido, é conservar a essência e estimular o desenvolvimento do que temos de melhor.

Iya mi é a força da vida é a capacidade de criar, é a capacidade de amar, é a manutenção da vida, é o leite que alimenta o recém-nascido é o desenvolvimento sadio é a evolução, é a capacidade de renovar como forma de perpetuar a vida.

Em uma arvore grande e sadia podemos observar centenas de galhos como extensão do tronco, podemos ver milhares de folhas e frutos como extensão dos galhos, os frutos dentro deles têm centenas de sementes que geraram outras arvores.

 É esse ciclo da vida que representa Iya mi a arvore é só um exemplo, quando estamos diante de uma mulher gravida esse mesmo ciclo pode ser observado, assim é a história, nada acontece sem essas senhoras.

Me causa espanto a falta de conhecimento sobre Iya mi, eu acredito que com o passar do tempo muito desses mitos devem desaparecer.
Quando se fala de iniciação em ifá estamos falando de um dos momentos mais importantes da vida espiritual de qualquer pessoa, a cerimonia do itefa é constituído de cinquenta e quatro atos que tem como finalidade principal esclarecer as dúvidas sobre o destino do iniciado.

O Itefa esclarece facilitando o dia a dia proporcionando informações para que o iniciado esteja alinhado com o destino por ele escolhido antes do seu nascimento.

A iniciação em ifá é muito discutida por pessoas que não foram iniciadas, então o que dizer desses comentários, o ideal seria que as pessoas escrevessem sobre aquilo que de fato elas conhecem.

A preparação de um itefa normalmente leva vários dias, a compra dos animais e do material que será utilizado na iniciação é orientada pelo Oluwo, o critério no momento da compra dos materiais sempre deve ser que sobre material, ao invés de faltar, a sobra facilita assim as indicações ainda desconhecidas no decorrer dos rituais.

 Obs: Quando o material é comprado em parte antecipadamente, o assentamento do orixá ire é facilitado após a indicação do odu de nascimento, assim como a preparação do igba ori se necessário.
Parte da lista de um Itefa:

2-bodes
1-cabra
6- galinhas
6-galos
20-igbins
4-pombos
1-galinha de angola
50-obi
100-orobo
10-efun
30-osun
2-eku eda
4-eja aro
Tecido branco para roupa 10m.
Ikin em quantidade a ser definida pelo Oluwo.
10- iyerosun
10-odidi atare
1-vasilha para Ifá
1-Vasilha para Exu.
500g de búzios
1-kg de Sabão da costa
1 –Idé Ifá
1-yangui
1-ileke Ifá
8-litros de gim ou vodca
6- litros de dendê
1-litro de mel
1-cabaça

Obs: Não vamos fornecer a lista completa nesse texto por acreditar que seja desnecessário a divulgação. A parte da lista divulgada já vai dar uma ideia para o leitor, ou seja, isso vai auxiliar para que ele não seja enganado por pessoas que se dizem sacerdotes.

 Ainda considerando a compra dos materiais com fartura, é importante salientar que antes do início do itefa é feito uma consulta a Orunmila que vai orientar os ebos que antecedem o itefa, (sempre é feito ebo riru) e outros ebos.

1-No início do itefa existem algumas cerimonias que não devem ser divulgadas, um exemplo é o primeiro ato que jamais poderá ser revelado, essa cerimônia acontece em uma mata.  Esse ato é dirigido pelo Oluwo mas podem participar o ojugbona do iniciado.

2-Preparação do caminho por onde vai passar o iniciado com ofertas a terra em número ímpar de um lado do caminho e em outro em número par.

3-Preparação do sabão de Opa Osun.
4- Alimentar opa Osun.
5-Consulta a Ifá para a entrada do iniciado
6-Ebó de entrada.
7-Preparação das folhas para a entrada do iodou.
8-preparação do Yangui do Exu do iniciado.
9-Preparação do material que será utilizado no itefa e sua conferencia.
10-Preparação das aves que devem ser carregadas pelo iniciado.
11-Inicio da caminhada em direção ao igbodu.O Oluwo segurando em sua mão Opa Osun começa as orações louvando os orisas, é feita a apresentação do novo membro da família para os antepassados.

Após a oração inicial através de Opa Osun é feita a invocação dos antepassados pedindo permissão para conduzir o awo, até o iodou.

Obs :Nesse texto vamos para facilitar a compreensão nomearemos o iniciado como awo.

O awo será conduzido em uma caminhada precedida por seu Oluwo, a sua Iya apetebi e seu ojugbona, a Iya apetebi carrega o yangui de Exu em sua cabeça, enquanto o awo que está vendado carrega os animais e todos os materiais para a iniciação.

Obs: A Iya apetebi normalmente é a esposa do Bàbàláwo, embora nesses rituais a figura da Iya apetebi possa ser representada por uma outra mulher, que não seja a esposa do Bàbàláwo.

A Iya apetebi não necessita ser iniciada para participar dos atos iniciais do itefa, como os descritos até o decimo quinto ato que normalmente são públicos.

12-Na entrada do iodou do lado esquerdo é feita a consulta a Iya Odu antes da entrada do awo para o iodou com obi e orobo. Do lado direito é colocada a vasilha contendo o Yangui do Exu que será assentado para o iniciado que permanece vendado.

 13-Retirada da venda.
Alguidar com agua um omi ero para lavar olhos de todos que vão entrar no iodou, nesse alguidar será preparado as folhas de tètè, òdóndú, rínrín e um igbin, tc.
14-O  material do itefa é levado para dentro do iodou.
15- O Opa Osun é fixado na terra dentro do iodou para testemunhar todo processo.
16-Alimentar Iya Odu para pedir permissão para começar os rituais dentro do Igbodu.
17- Raspagem da cabeça do awo

Obs: Os atos do decimo ao vigésimo não podem ser divulgados.

21- Preparação do solo para extrair o odu de nascimento, o awo senta atrás do Oluwo segurando na cintura ou nos ombros ou nas costas de seu Oluwo.

Obs: Os atos do vigésimo segundo ao vigésimo terceiro não podem ser divulgados.

24- Ritual aos pés de Opa Osun o odu de nascimento do iniciado será revelado.

Obs: Somente após saber o odu é que os ikins serão alimentados, evidentemente porque o assentamento de Orunmila é feito com o odu do iniciado, cabe dizer que anteriormente a isso existe a preparação dos ikins, porém é importante ressaltar que o Exu do iniciado assim como como o seu iba ori só serão alimentados a partir da apuração do odu.

Obs: No momento que é apurado o odu do awo se ele vier em ibi ele deverá ser transformado em ire com o ebo riru antes do awo levantar da esteira.

Ori, Exu pessoal e Orunmila são assentados com o odu de nascimento extraído no itefa, se não for assim o compromisso de cumprir o destino escolhido pelo iniciado antes de nascer jamais será realizado.

Se o awo já tiver Exu assentado antes do Itefa esse não pode ser aproveitado para o itefa, nem a vasilha de Orunmila usada no isefa pode ser aproveitada para o itefa. A vasilha anterior assim como o Exu foram preparados com outro odu que não o odu de nascimento do awo assim como ileke ifá que deve ser novo.

Obs: Os atos do vigésimo ao vigésimo sexto, não podem ser divulgados.

27-Banho do awo.
28-Pintura do Awo

Obs: Os atos vigésimo nono ao trigésimo quarto não podem ser divulgados.

35-No segundo dia, o iniciado recebe mais informações sobre o seu odu, tomando conhecimento de seus ewos e recebendo o seu nome.

Obs: Os atos do trigésimo sexto ao quadragésimo não podem ser divulgados.

41-No terceiro dia o Oluwo com Opa Osun, lidera uma nova caminhada para levar o carrego do iniciado para o Rio, na volta do carrego Opa Osun, será fixado na terra, agora em frente à casa.

Obs: Os atos do quadragésimo segundo ao quadragésimo terceiro não podem ser divulgados.

44-Odu pada odo, na volta do rio é feito uma nova consulta a Orunmila que deve ser seguida dos ebos correspondentes ao novo caminho do awo, (quase sempre é feito ebo riru).
48-Ainda no terceiro dia o ifá será alimentado novamente.

Obs: Os atos do quadragésimo nono não podem ser divulgados.

 50-A iniciada dança, canta e festeja o seu odu durante a sua apresentação para o egbe.

Obs: Os atos do quinquagésimo primeiro não podem ser divulgados.

52-Feita as cerimonias do terceiro dia, do sétimo dia e do decimo sétimo dia, diante de Opa Osun é retirado o ekodide.

Obs: No ato citado acima quando o itefa é feito para Babalorisa é diferente do que é feito para um Babalawo.

A retirada do ekodide encerra o itefa que em razão do odu poderá ou não dar início ao itelodu, com o início do itelodu as cerimonias tem um novo caráter com Iya odu reconhecendo seu filho, esse ato é o quinquagésimo, enquanto a preparação do solo do início a um processo e o reconhecimento de Iya odu encerra a feitura.

Obs: No ato citado acima quando o itefa é feito para Iyanifa é diferente do que é feito para um Bàbàláwo.

Tanto nos casos de Babalawos s como Iyanifas e omo orisas as cerimonias podem levar de três a dezesseis dias.

Babalawos e Iyanifas e sacerdotes do culto de orisa tem a sua cabeça raspada nessas cerimonias.
Das mais de cinquenta cerimonias que constitui todo processo até o itelodu duas são diferentes para omo orixá e uma é diferente para Iyanifa.

54-Em caso de Itelodu, o awo será reconhecido por Iya Odu.

Todos esses ensinamentos que estou divulgando aqui foram recebidos de meu Oluwo Oyeniyi Awolola Agboola e do Araba Awodiran Agboola, os rituais de iniciação em nossa casa reproduzem na integra os rituais de iniciação de nossa família na cidade de Lagos Nigéria.

*Qualquer pessoa com um pouco de bom senso vai entender que por razões obvias divulguei aqui somente vinte e sete atos dos cinquenta e quatro atos que constituem a cerimonia de um itefa e um Itelodu.

O importante para mim é divulgar em principio informações que possibilitem as pessoas em geral ter uma noção do que consiste um itefa.

 Considerando que ultimamente tem aumentado muito o número de pessoas enganadas por falsos sacerdotes.

Um Bàbàláwo ou uma Iyanifa não incorporam espíritos.
 Um Bàbàláwo ou uma Iyanifa não comercializam materiais de asé.
Um Bàbàláwo ou uma Iyanifa só iniciam as pessoas depois de vários anos de estudo.
Um Bàbàláwo ou uma Iyanifa só iniciam em Ifá com a autorização de seu Oluwo.

Um Bàbàláwo ou uma Iyanifa não mentem e não enganam as pessoas, esses sacerdotes devem ser modelos de retidão e bom caráter para as suas comunidades.

Um Bàbàláwo ou uma Iyanifa não usam drogas e não podem ter envolvimento com coisas que constituam uma infração as leis de seu país.

Orunmila não pactua com traidores.

O awo que trilha o caminho da verdade jamais está sozinho, a minha verdade pode lhe incomodar muito, mas tenha a certeza que a sua mentira me incomoda muito mais. Eu não sou o dono da verdade mas também não sou um mentiroso, sendo assim Ajagunmale é aquele que vai nos julgar.

Esse texto foi motivado pela indignação de saber que pessoas dizem ser aquilo que na verdade elas não são, existem muitas pessoas se beneficiando do desconhecimento do público em geral, usando o nome de Orunmila em seu próprio benefício.




 O certo é que o tempo para a falta de informação está terminando.

Espero ter contribuído com os estudos de nossos irmãos, em nosso blog temos outros textos que falam sobre esses assuntos, não deixem de ler o texto que tem como título (religião tem regras) é um bom material de estudos.
Obs: Esses textos não são frutos de pesquisas na internet são conhecimentos obtidos junto ao Araba de nossa família e do meu Oluwo.
Em nosso blog disponibilizamos mais material de estudo para que os nossos críticos se capacitem.

Ifá gbe wa o

















Intolerância Religiosa.

Intolerância Religiosa. Na década de oitenta eu fui entrevistado por uma emissora de TV na cidade de Buenos Aires, Argentina por ...