quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Iya Ori nunca existiu, Orunmila? 





Autor:Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Durante todos esses anos eu já ouvi tantas inverdades, crendices e lendas que não me admiro ver tantas novidades em nossa religião.

Sobre Iya Ori então, eu fico impressionado como isso foi divulgado. Dizer que Iya Ori (Yemonja) ou qualquer Orisa que tenha esse título seja a dona de todas as cabeças... é de deixar  pensando o porquê de tanta desinformação.

A divindade que é considerada como “aquela que molda as cabeças”, é o Orisa Ajala, e a que habita as cabeças, se é que podemos dizer assim, para facilitar o entendimento das pessoas iniciadas recentemente ou leigas, é Ori.
Eu cultuo Yemonja e considero um belíssimo Orisa, mas daí atribuir a essa linda divindade algo que não é verdade, não faz parte de nossa forma de ver a religião
.
Sobre o bori então... eu fico impressionado com alguns procedimentos. Oferecer peixe e canjica para todas as cabeças é um atestado de incompetência comum aos supostos sacerdotes.
Se o Ori esta ligado ao odu, e existe 256 odus diferentes, a grosso modo, teríamos no mínimo 256 tipos de bori. Mas a verdade é que esse procedimento não segue nenhuma regra e sim, uma orientação de Ifa ocasional.

Dependendo da consulta feita ao jogo, pode sim ser orientado um bori àquela pessoa em um determinado momento. Os componentes do mesmo seguem uma orientação pessoal e específica diante daquela circunstância.

Cada pessoa em um determinado momento da vida necessita de um tipo de bori que supra as suas carências, é responsabilidade do sacerdote identificar as mesmas com precisão.
Podemos citar um exemplo: quando a pessoa precisa de um novo caminho na vida profissional, nesse tipo de bori, devem existir elementos ligados ao Orisa Ogun. Essa regra pode ser usada como forma de identificar as comidas, e outras substâncias a serem usadas no ritual.

ODU OGUNDA MEJI


Ori, eu te saúdo!
Aquele que é sábio,
Foi feito sábio pelo próprio Ori.
Aquele que é tolo,
Foi feito mais tolo que um pedaço de inhame,
Pelo próprio Ori!
Seria muito importante que todas as pessoas tivessem acesso a literaturas que indicam os procedimentos a serem seguidos em nossa religião. Infelizmente isso não é possível, sendo assim, vamos tentar contribuir com algumas informações, sem querer ser o dono da verdade, mas também não compactuando com essa total falta de informação existente.

Todo Ori, embora criado bom, acha-se sujeito a mudanças; a própria conduta do homem pode transformar negativamente os pré-requisitos de nossa existência por nós escolhidos diante de Ajala.

Iya Ori nunca existiu, Orunmila? 





Autor:Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Durante todos esses anos eu já ouvi tantas inverdades, crendices e lendas que não me admiro ver tantas novidades em nossa religião.

Sobre Iya Ori então, eu fico impressionado como isso foi divulgado. Dizer que Iya Ori (Yemonja) ou qualquer Orisa que tenha esse título seja a dona de todas as cabeças... é de deixar  pensando o porquê de tanta desinformação.

A divindade que é considerada como “aquela que molda as cabeças”, é o Orisa Ajala, e a que habita as cabeças, se é que podemos dizer assim, para facilitar o entendimento das pessoas iniciadas recentemente ou leigas, é Ori.
Eu cultuo Yemonja e considero um belíssimo Orisa, mas daí atribuir a essa linda divindade algo que não é verdade, não faz parte de nossa forma de ver a religião
.
Sobre o bori então... eu fico impressionado com alguns procedimentos. Oferecer peixe e canjica para todas as cabeças é um atestado de incompetência comum aos supostos sacerdotes.
Se o Ori esta ligado ao odu, e existe 256 odus diferentes, a grosso modo, teríamos no mínimo 256 tipos de bori. Mas a verdade é que esse procedimento não segue nenhuma regra e sim, uma orientação de Ifa ocasional.

Dependendo da consulta feita ao jogo, pode sim ser orientado um bori àquela pessoa em um determinado momento. Os componentes do mesmo seguem uma orientação pessoal e específica diante daquela circunstância.

Cada pessoa em um determinado momento da vida necessita de um tipo de bori que supra as suas carências, é responsabilidade do sacerdote identificar as mesmas com precisão.
Podemos citar um exemplo: quando a pessoa precisa de um novo caminho na vida profissional, nesse tipo de bori, devem existir elementos ligados ao Orisa Ogun. Essa regra pode ser usada como forma de identificar as comidas, e outras substâncias a serem usadas no ritual.

ODU OGUNDA MEJI


Ori, eu te saúdo!
Aquele que é sábio,
Foi feito sábio pelo próprio Ori.
Aquele que é tolo,
Foi feito mais tolo que um pedaço de inhame,
Pelo próprio Ori!
Seria muito importante que todas as pessoas tivessem acesso a literaturas que indicam os procedimentos a serem seguidos em nossa religião. Infelizmente isso não é possível, sendo assim, vamos tentar contribuir com algumas informações, sem querer ser o dono da verdade, mas também não compactuando com essa total falta de informação existente.

Todo Ori, embora criado bom, acha-se sujeito a mudanças; a própria conduta do homem pode transformar negativamente os pré-requisitos de nossa existência por nós escolhidos diante de Ajala.

Segundo orisa no Ifá não existe.





Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Em nosso país, precisamos de um grande movimento buscando formas de informar melhor sobre nossa religião.
No dia-a-dia é flagrante a falta de um material para a pesquisa dos interessados em aprender sobre o culto aos orisas.

Um erro comum é no que diz respeito ao chamado Juntó, a mistura de religiões no Brasil é responsável pela idéia errada que toda pessoa precisa ter um segundo Orisa, muitas vezes sendo passada a idéia de que o indivíduo necessita de um pai e uma mãe espiritual.

Só existe uma feitura. Para os outros orisas a pessoa é somente iniciada no culto, conforme orientação de Ifa.
O ponto que vou abordar agora vai criar uma grande polêmica, mas é preciso fazer isso.
Não existe no culto aos Orisas, em território yoruba, a mínima possibilidade de uma pessoa ser montada por dois Orisas, sendo que ela só é feita para um e iniciada para os demais, se assim for solicitado.

Tentarei explicar melhor. Na feitura o indivíduo exalta o que já possui, e na iniciação ele recebe o que é necessário para o seu melhor viver (o que lhe falta).

Exemplo: se uma pessoa é feita para Obatala e não é feliz em sua vida sentimental, pode ou não ser iniciada no culto de Osun como forma de equilibrar essa deficiência. Evidente que por orientação de Ifa.

A mistura de cultos de origem Banto (culto aos inkices), com o ritual de origem Yoruba (culto aos Orisas), gerou tal confusão que as pessoas acreditam que podem até receber (ser montado) por vários Orisas. Isso pode criar sérios problemas para o iniciado.

Tal fato deve ser orientado como prática no mínimo equivocada, para não dizer sem sentido, pois só um Orisa foi feito.

Sendo assim, a pessoa pode ser iniciada para qualquer orisa depois da feitura, ou até mesmo ser iniciado para outro Orisa antes do seu. Dependendo exclusivamente da orientação de Ifa.

 Eu sempre digo que o homem está ficando tão pretensioso que já criou regras para o comportamento das divindades, e quase sempre termina se esquecendo de perguntar aos mesmos, e coloca sua opinião como sendo a verdade.

Essa pretensão pode acontecer por várias razões: falta de conhecimento ou falta de caráter, mas sempre quem paga o preço é o iniciado.


Segundo orisa no Ifá não existe.





Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Em nosso país, precisamos de um grande movimento buscando formas de informar melhor sobre nossa religião.
No dia-a-dia é flagrante a falta de um material para a pesquisa dos interessados em aprender sobre o culto aos orisas.

Um erro comum é no que diz respeito ao chamado Juntó, a mistura de religiões no Brasil é responsável pela idéia errada que toda pessoa precisa ter um segundo Orisa, muitas vezes sendo passada a idéia de que o indivíduo necessita de um pai e uma mãe espiritual.

Só existe uma feitura. Para os outros orisas a pessoa é somente iniciada no culto, conforme orientação de Ifa.
O ponto que vou abordar agora vai criar uma grande polêmica, mas é preciso fazer isso.
Não existe no culto aos Orisas, em território yoruba, a mínima possibilidade de uma pessoa ser montada por dois Orisas, sendo que ela só é feita para um e iniciada para os demais, se assim for solicitado.

Tentarei explicar melhor. Na feitura o indivíduo exalta o que já possui, e na iniciação ele recebe o que é necessário para o seu melhor viver (o que lhe falta).

Exemplo: se uma pessoa é feita para Obatala e não é feliz em sua vida sentimental, pode ou não ser iniciada no culto de Osun como forma de equilibrar essa deficiência. Evidente que por orientação de Ifa.

A mistura de cultos de origem Banto (culto aos inkices), com o ritual de origem Yoruba (culto aos Orisas), gerou tal confusão que as pessoas acreditam que podem até receber (ser montado) por vários Orisas. Isso pode criar sérios problemas para o iniciado.

Tal fato deve ser orientado como prática no mínimo equivocada, para não dizer sem sentido, pois só um Orisa foi feito.

Sendo assim, a pessoa pode ser iniciada para qualquer orisa depois da feitura, ou até mesmo ser iniciado para outro Orisa antes do seu. Dependendo exclusivamente da orientação de Ifa.

 Eu sempre digo que o homem está ficando tão pretensioso que já criou regras para o comportamento das divindades, e quase sempre termina se esquecendo de perguntar aos mesmos, e coloca sua opinião como sendo a verdade.

Essa pretensão pode acontecer por várias razões: falta de conhecimento ou falta de caráter, mas sempre quem paga o preço é o iniciado.


domingo, 5 de dezembro de 2010


Egúngún e Ifá.



Autor:  Bàbàláwo Ifagbaiyin Agboola

Na cultura yoruba a morte é encarada com naturalidade, o povo deste território tem uma forma bem clara para definir esse momento, a morte não representa o fim, ela representa sim o começo de um novo ciclo.

 A morte não é o fim da vida, existe outro mundo paralelo ao nosso, conhecido como òrún (céu), que é dividido em nove partes.

Este local para o povo yoruba é a morada dos Òrìșàs e dos antepassados, sendo assim o contato entre o òrún (céu) e o aiye (terra) acontece de forma constante.

O fato de poder ir e vir é um privilégio, somente espíritos com um caráter exemplar serão escolhidos para serem cultuado como egúngún.

Continuar voltando a terra para ver seus descendentes é um prazer, participar da vida da comunidade ou da família possibilita ao individuo eternizar-se, entrar para historia e ser louvado por seus descendentes.

Tenho assistido algumas discussões sobre esse tema com surpresa, a desinformação sobre esse assunto é muito grande, existe uma aura de mistério confundida com mentiras e interesses que distancia muito os iniciados da verdade, imagina-se então o que acontece com o público leigo que ignora completamente a realidade.

Passarei agora a uma analise dos fatos sempre considerando a visão do povo yoruba de forma tradicional, não a visão afro brasileira.

Não existe egúngún do Òrìșà Ògún ou de Osun ou de Obàtálá, esse é um erro bastante comum, existe sim um espírito de um ancestral (egúngún) que um dia foi feito para um determinado Òrìșà, ou não.

Não existe comida de Òrìșà que se serve para um determinado egúngún, existe sim pratos tradicionais de um povo que podem ser servidos ou não de acordo com a preferência do antepassado.

É possível sim que um espírito feminino seja homenageado após a sua morte em um ritual de egúngún.

É permitido sim à permanência de mulheres nos rituais para egúngún, eu não acredito quais seriam os objetivos de tais rituais que não fossem os de manter a família e a estrutura de um povo sem que a presença da mulher deixe de ser fundamental.

Todas as casas que cultuam Òrìșà devem ter sim um assentamento de egúngún, todos tem antepassados que devem ser louvados.

Sim é possível o culto de egúngún e Òrìșà assim como de ìyá mi no mesmo local, um ritual se completa com o outro, até por que estamos prestando homenagens antepassados masculinos e femininos.

Espíritos evoluídos e de grande compreensão, espíritos desinformados não merecem tais rituais e sim outros.

Uma pessoa com cargo de Babalorisa sim pode ser um iniciado em Egúngún outros cultos como o de Iya mi e de Baba Oro, sem nenhum problema, como disse anteriormente os rituais se completam, todos temos antepassados femininos e masculinos.

Uma pessoa deve sim cultuar egúngún de sua família, assim como o egúngún da família de òrìsà a qual ela foi iniciada; cultuar um egúngún de alguém que não tem nada em comum com você é no mínimo desperdício para não dizer total desinformação.

Assentamento de egúngún sim pode ser feito em casa alugada, quando a pessoa vai mudar para outro lugar tem um ritual que deve ser feito com uma parte da terra do local e o assentamento jamais deve ser desfeito e sim transferido.

Toda pessoa um dia pode ser um egúngún cultuado sim, o que vai diferenciar quem merece ou não ser cultuado é a finalidade do assentamento, para ser mais claro se eu quero um amigo que vai me orientar, não assentarei um espírito de alguém que não tenho informações.

Existe sim um odu que autoriza a abertura de um buraco no chão para culto dos antepassados, não mencionaremos aqui por razões óbvias, mas todo ritual em nossa religião consta dos versos dos odus de Ifá.

Sim um egúngún assim como um òrìsà não necessita de um número exato de animais para ser assentado, acontece que o homem esta tão pretensioso que administra os rituais sem mesmo questionar a divindade e suas preferências.

Quanto à questão da roupa volto a dizer de forma bem clara, quem quiser acreditar em historia de faz de conta que assim o faça, somente quem conhece os rituais de preparação de uma roupa de egúngún sabe a importância da mesma na preservação dos membros ali envolvidos.

Quanto ao fato de usar egúngún para fazer maldade, eu sei que faz parte da historia humana lançar mão de tudo que é possível para atingir seus intentos, mas é bem verdade que se amamos um egúngún e o respeitamos jamais pediremos para interferir em nosso beneficio causando qualquer tipo de dificuldade ao outro, é claro que isso faz parte da formação da pessoa e não de uma religião específica, algumas pessoas não merecem ter o acesso a tais informações, mas isso é outra história.





Egúngún e Ifá.



Autor:  Bàbàláwo Ifagbaiyin Agboola

Na cultura yoruba a morte é encarada com naturalidade, o povo deste território tem uma forma bem clara para definir esse momento, a morte não representa o fim, ela representa sim o começo de um novo ciclo.

 A morte não é o fim da vida, existe outro mundo paralelo ao nosso, conhecido como òrún (céu), que é dividido em nove partes.

Este local para o povo yoruba é a morada dos Òrìșàs e dos antepassados, sendo assim o contato entre o òrún (céu) e o aiye (terra) acontece de forma constante.

O fato de poder ir e vir é um privilégio, somente espíritos com um caráter exemplar serão escolhidos para serem cultuado como egúngún.

Continuar voltando a terra para ver seus descendentes é um prazer, participar da vida da comunidade ou da família possibilita ao individuo eternizar-se, entrar para historia e ser louvado por seus descendentes.

Tenho assistido algumas discussões sobre esse tema com surpresa, a desinformação sobre esse assunto é muito grande, existe uma aura de mistério confundida com mentiras e interesses que distancia muito os iniciados da verdade, imagina-se então o que acontece com o público leigo que ignora completamente a realidade.

Passarei agora a uma analise dos fatos sempre considerando a visão do povo yoruba de forma tradicional, não a visão afro brasileira.

Não existe egúngún do Òrìșà Ògún ou de Osun ou de Obàtálá, esse é um erro bastante comum, existe sim um espírito de um ancestral (egúngún) que um dia foi feito para um determinado Òrìșà, ou não.

Não existe comida de Òrìșà que se serve para um determinado egúngún, existe sim pratos tradicionais de um povo que podem ser servidos ou não de acordo com a preferência do antepassado.

É possível sim que um espírito feminino seja homenageado após a sua morte em um ritual de egúngún.

É permitido sim à permanência de mulheres nos rituais para egúngún, eu não acredito quais seriam os objetivos de tais rituais que não fossem os de manter a família e a estrutura de um povo sem que a presença da mulher deixe de ser fundamental.

Todas as casas que cultuam Òrìșà devem ter sim um assentamento de egúngún, todos tem antepassados que devem ser louvados.

Sim é possível o culto de egúngún e Òrìșà assim como de ìyá mi no mesmo local, um ritual se completa com o outro, até por que estamos prestando homenagens antepassados masculinos e femininos.

Espíritos evoluídos e de grande compreensão, espíritos desinformados não merecem tais rituais e sim outros.

Uma pessoa com cargo de Babalorisa sim pode ser um iniciado em Egúngún outros cultos como o de Iya mi e de Baba Oro, sem nenhum problema, como disse anteriormente os rituais se completam, todos temos antepassados femininos e masculinos.

Uma pessoa deve sim cultuar egúngún de sua família, assim como o egúngún da família de òrìsà a qual ela foi iniciada; cultuar um egúngún de alguém que não tem nada em comum com você é no mínimo desperdício para não dizer total desinformação.

Assentamento de egúngún sim pode ser feito em casa alugada, quando a pessoa vai mudar para outro lugar tem um ritual que deve ser feito com uma parte da terra do local e o assentamento jamais deve ser desfeito e sim transferido.

Toda pessoa um dia pode ser um egúngún cultuado sim, o que vai diferenciar quem merece ou não ser cultuado é a finalidade do assentamento, para ser mais claro se eu quero um amigo que vai me orientar, não assentarei um espírito de alguém que não tenho informações.

Existe sim um odu que autoriza a abertura de um buraco no chão para culto dos antepassados, não mencionaremos aqui por razões óbvias, mas todo ritual em nossa religião consta dos versos dos odus de Ifá.

Sim um egúngún assim como um òrìsà não necessita de um número exato de animais para ser assentado, acontece que o homem esta tão pretensioso que administra os rituais sem mesmo questionar a divindade e suas preferências.

Quanto à questão da roupa volto a dizer de forma bem clara, quem quiser acreditar em historia de faz de conta que assim o faça, somente quem conhece os rituais de preparação de uma roupa de egúngún sabe a importância da mesma na preservação dos membros ali envolvidos.

Quanto ao fato de usar egúngún para fazer maldade, eu sei que faz parte da historia humana lançar mão de tudo que é possível para atingir seus intentos, mas é bem verdade que se amamos um egúngún e o respeitamos jamais pediremos para interferir em nosso beneficio causando qualquer tipo de dificuldade ao outro, é claro que isso faz parte da formação da pessoa e não de uma religião específica, algumas pessoas não merecem ter o acesso a tais informações, mas isso é outra história.




quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

.


Iya mi Osoronga, imule e Ifá.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola.

Muito se tem falado sobre Iya mi, mas pouco se tem divulgado dos detalhes do culto a esse òrìsà, na verdade pouco se pode divulgar e isso todos compreendem, quando alguém tenta falar um pouco mais imediatamente, vira alvo de criticas, quase sempre feitas por pessoas que nem são iniciadas.

Nas famílias que cultuam Iya mi, muitos homens são iniciados e participam ao contrário do que é divulgado no Brasil, a presença masculina é muito importante, e homens e mulheres participam de forma harmoniosa dos rituais.

O que se pode divulgar é que as pessoas pactuadas a partir do primeiro imule tem acesso a algumas informações que a maioria nem imagina, isso acontece tanto para homens como para mulheres.

Quando o imule é feito com Ìyá mi, a pessoa ao contrário do que se pensa desperta uma energia que ela já possui.

 Um ritual adequado e conduzido por pessoa habilitada trás benefícios para o individuo.

Jamais esse ritual pode ser chamado de iniciação, e muito menos de feitura; em uma iniciação o individuo recebe algo que esta faltando, e em uma feitura ele exalta o que já possui, mas em um imule ele assume um compromisso com sua origem seu passado e seu futuro, aflorando assim o desconhecido, mas existente principio.

Não mencionarei a ordem dos imules aqui por razões já conhecidas, mas em um deles o individuo enfatiza o seu compromisso com a terra e em outro um com a sua origem.
Posteriormente existirá um contato com forças através de uma representação que será alterada conforme a evolução do individuo diante dos pactos assumidos, seguindo rituais de compromisso até que em um desses é determinado o completo afastamento de algumas atividades.

Algumas pessoas falam em sete ou até em nove imules, eu não gostaria de abordar aqui a quantidade nem a ordem dos mesmos, em alguns casos os imules podem ser feitos uma vez por ano, seguindo a orientação de Ifá.

Algumas pessoas desconhecem, mas existem vários tipos de imules inclusive com os outros Òrìșàs, sempre buscando a proteção e o beneficio do pactuado.





.


Iya mi Osoronga, imule e Ifá.



Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola.

Muito se tem falado sobre Iya mi, mas pouco se tem divulgado dos detalhes do culto a esse òrìsà, na verdade pouco se pode divulgar e isso todos compreendem, quando alguém tenta falar um pouco mais imediatamente, vira alvo de criticas, quase sempre feitas por pessoas que nem são iniciadas.

Nas famílias que cultuam Iya mi, muitos homens são iniciados e participam ao contrário do que é divulgado no Brasil, a presença masculina é muito importante, e homens e mulheres participam de forma harmoniosa dos rituais.

O que se pode divulgar é que as pessoas pactuadas a partir do primeiro imule tem acesso a algumas informações que a maioria nem imagina, isso acontece tanto para homens como para mulheres.

Quando o imule é feito com Ìyá mi, a pessoa ao contrário do que se pensa desperta uma energia que ela já possui.

 Um ritual adequado e conduzido por pessoa habilitada trás benefícios para o individuo.

Jamais esse ritual pode ser chamado de iniciação, e muito menos de feitura; em uma iniciação o individuo recebe algo que esta faltando, e em uma feitura ele exalta o que já possui, mas em um imule ele assume um compromisso com sua origem seu passado e seu futuro, aflorando assim o desconhecido, mas existente principio.

Não mencionarei a ordem dos imules aqui por razões já conhecidas, mas em um deles o individuo enfatiza o seu compromisso com a terra e em outro um com a sua origem.
Posteriormente existirá um contato com forças através de uma representação que será alterada conforme a evolução do individuo diante dos pactos assumidos, seguindo rituais de compromisso até que em um desses é determinado o completo afastamento de algumas atividades.

Algumas pessoas falam em sete ou até em nove imules, eu não gostaria de abordar aqui a quantidade nem a ordem dos mesmos, em alguns casos os imules podem ser feitos uma vez por ano, seguindo a orientação de Ifá.

Algumas pessoas desconhecem, mas existem vários tipos de imules inclusive com os outros Òrìșàs, sempre buscando a proteção e o beneficio do pactuado.





sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Iniciar em Ifá ou não
Autor: Bàbàláwo Ifágbaíyin Agboola

Algumas pessoas tem me perguntado sobre a iniciação em Ifá; gostaria de dizer que de um modo geral não existe um pré-requisito para se iniciado em ifá, a consulta que vai indicar a iniciação ou não.

Ao contrário do que acontece em território yoruba que as pessoas antes de serem iniciadas em Òrìșà são iniciadas em Ifá, em nosso país por uma questão cultural elas são iniciadas em Òrìșà primeiro, e isso pode ser um problema, sendo assim o ritual de iniciação em ifá quase sempre identifica a necessidade de complementar a iniciação anterior.

Na verdade o que vai favorecer a pessoa que vai ser iniciada em Ifá, além dos rituais e da aproximação do individuo com o seu destino é o conhecimento do sacerdote que vai ministrar o ritual, assim como o conhecimento do seu Ojugbona.

A figura do Ojugbona é muito importante, pois será essa a pessoa responsável pela preparação do awo Ifá.

Isefa

 Pré-iniciação a onde a pessoa é chamada de Omo ifá, nesse ritual a pessoa será informada através de um odu provisório o melhor caminho a ser seguido que possibilitará o seu crescimento pessoal e espiritual.

Em hipótese alguma deve se raspar a cabeça, nesse ritual.

Itefa  
  
A iniciação onde o odu de nascimento é extraído através de ritual com os ikins que pode ou não definir caminho de sacerdócio.
Nessa ocasião, a cabeça do iniciado será raspada.

Itelodu

Cerimônia que pode acontecer logo após o itefa ou em data indicada por Òrúnmìlà, ritual mais importante onde Iya odu reconhece o filho.
Somente após o Itelodu o Bàbàláwo será confirmado e testado em seus conhecimentos podendo assim ao longo do tempo receber o titulo de Oluwo e a autorização para ter a sua família.

Existe algumas pequenas diferenças nos rituais dependendo da região do território yoruba, mas, de um modo geral a ordem deve ser essa, das obrigações pelas quais passa um iniciado até chegar a Bàbàláwo.

A ordem descrita acima não é uma regra em uma consulta a pessoa pode ser orientada por Òrúnmìlà para que faça somente isefa ou até mesmo um itefa, mas quem decide é Òrúnmìlà a natureza do ritual é sempre o Òrìșà.

Obs: Salvo raríssimas exceções somente os Oluwos tem assentamento de Iya odu, é evidente que o odu de nascimento pode determinar a diferença entre os Bàbàláwos que na cerimônia de Itelodu recebe o assentamento de Iya odu e aqueles que não recebem o assentamento de imediato.
O odu de nascimento também indica a necessidade de iniciação em outros Òrìșà. Também é verdade que é raríssimo que um Bàbàláwo se torne um Oluwo sem que seja iniciado na sociedade Ogboni.

Os juramentos feitos na iniciação Ogboni permitirão que o Ojugbona e o Oluwo possam ter a tranquilidade de passar segredos para o Bàbàláwo, a relação de confiança entre as partes é que vai pautar os ensinamentos a serem abordados.

Por orientação do Araba de nossa família um Bàbàláwo só se torna um Oluwo após um período mínimo de estudos de cinco anos, alguns Bàbàláwos podem receber autorização para fazer isefas em um prazo inferior ao citado acima, mas é exceção. 

O Òrì de cada iniciado é que vai definir a sua capacidade de aprendizado, podendo ou não alterar a data onde o Bàbàláwo terá seu conhecimento testado, implicando diretamente em sua formação, considerando que o tempo de assimilação dos ensinamentos varia de pessoa para pessoa.

Iniciar em Ifá ou não
Autor: Bàbàláwo Ifágbaíyin Agboola

Algumas pessoas tem me perguntado sobre a iniciação em Ifá; gostaria de dizer que de um modo geral não existe um pré-requisito para se iniciado em ifá, a consulta que vai indicar a iniciação ou não.

Ao contrário do que acontece em território yoruba que as pessoas antes de serem iniciadas em Òrìșà são iniciadas em Ifá, em nosso país por uma questão cultural elas são iniciadas em Òrìșà primeiro, e isso pode ser um problema, sendo assim o ritual de iniciação em ifá quase sempre identifica a necessidade de complementar a iniciação anterior.

Na verdade o que vai favorecer a pessoa que vai ser iniciada em Ifá, além dos rituais e da aproximação do individuo com o seu destino é o conhecimento do sacerdote que vai ministrar o ritual, assim como o conhecimento do seu Ojugbona.

A figura do Ojugbona é muito importante, pois será essa a pessoa responsável pela preparação do awo Ifá.

Isefa

 Pré-iniciação a onde a pessoa é chamada de Omo ifá, nesse ritual a pessoa será informada através de um odu provisório o melhor caminho a ser seguido que possibilitará o seu crescimento pessoal e espiritual.

Em hipótese alguma deve se raspar a cabeça, nesse ritual.

Itefa  
  
A iniciação onde o odu de nascimento é extraído através de ritual com os ikins que pode ou não definir caminho de sacerdócio.
Nessa ocasião, a cabeça do iniciado será raspada.

Itelodu

Cerimônia que pode acontecer logo após o itefa ou em data indicada por Òrúnmìlà, ritual mais importante onde Iya odu reconhece o filho.
Somente após o Itelodu o Bàbàláwo será confirmado e testado em seus conhecimentos podendo assim ao longo do tempo receber o titulo de Oluwo e a autorização para ter a sua família.

Existe algumas pequenas diferenças nos rituais dependendo da região do território yoruba, mas, de um modo geral a ordem deve ser essa, das obrigações pelas quais passa um iniciado até chegar a Bàbàláwo.

A ordem descrita acima não é uma regra em uma consulta a pessoa pode ser orientada por Òrúnmìlà para que faça somente isefa ou até mesmo um itefa, mas quem decide é Òrúnmìlà a natureza do ritual é sempre o Òrìșà.

Obs: Salvo raríssimas exceções somente os Oluwos tem assentamento de Iya odu, é evidente que o odu de nascimento pode determinar a diferença entre os Bàbàláwos que na cerimônia de Itelodu recebe o assentamento de Iya odu e aqueles que não recebem o assentamento de imediato.
O odu de nascimento também indica a necessidade de iniciação em outros Òrìșà. Também é verdade que é raríssimo que um Bàbàláwo se torne um Oluwo sem que seja iniciado na sociedade Ogboni.

Os juramentos feitos na iniciação Ogboni permitirão que o Ojugbona e o Oluwo possam ter a tranquilidade de passar segredos para o Bàbàláwo, a relação de confiança entre as partes é que vai pautar os ensinamentos a serem abordados.

Por orientação do Araba de nossa família um Bàbàláwo só se torna um Oluwo após um período mínimo de estudos de cinco anos, alguns Bàbàláwos podem receber autorização para fazer isefas em um prazo inferior ao citado acima, mas é exceção. 

O Òrì de cada iniciado é que vai definir a sua capacidade de aprendizado, podendo ou não alterar a data onde o Bàbàláwo terá seu conhecimento testado, implicando diretamente em sua formação, considerando que o tempo de assimilação dos ensinamentos varia de pessoa para pessoa.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010


   Ebó, Orunmila explica.



Autor:Babalawo Ifagbayin Agboola

Atualmente no Brasil existe uma pratica no que se refere aos conhecidos ebós (etutu),estamos observando com preocupação o grande número de ebós que vem sendo divulgado na mídia,acontece que um ebó pode ser positivo a vida de uma pessoa ou como é bastante comum acontecer em nada contribuir,e o pior em alguns casos até prejudicar.

A grande maioria dos ebós devem ser feitos diante da pessoa  após uma cuidadosa consulta aos orisas através do jogo de búzios,essa consulta deve seguir as orientações conforme a resposta  apresentada na consulta obedecendo o seguintes aspectos: para quem deve ser feito o ebó,quando deve ser feito,o número e o tipo de componentes,assim como o horário a ser preparado e entregue.

Normalmente um Ebó pode ser feito em vários locais como rios estradas e até mesmo no mar,a tradição indica que os elementos  que fazem parte do ebó devem  seguir a orientação do jogo podendo ser alterados alguns itens dependendo do momento e da própria pessoa a qual será administrada , assim sendo realizamos o ebó para afastar doenças, para aumentar a produção no trabalho assim como para resolvermos problemas espirituais existentes.A utilização do ebó  serve para prevenir e evitar que um mal se instale.Para  curar ou afastar o mal instalado ou para atrair as coisas boas.

O local onde o ebó será entregue também varia de acordo com as instruções dadas pelo jogo e a orientação dos orisas,que pode ser em  estradas , florestas, rios,mar,e encruzilhadas etc...
Os itens utilizados incluem água das mais variadas fontes,azeite de dendê, mel,obi, orobo,penas de pássaros,etc.

Cada um dos elementos utilizados nos etutus, possuem energia própria e é utilizado em rituais,que podem ser realizados durante o dia a luz do sol ou realizados a noite.
Assim sendo toda a consulta ao oráculo inclui a recomendação de  interdições, de um ebó especifico que, através da orientação bem como o uso da força vital afasta o mal não instalado,neutraliza o já instalado e atrai o bem.


   Ebó, Orunmila explica.



Autor:Babalawo Ifagbayin Agboola

Atualmente no Brasil existe uma pratica no que se refere aos conhecidos ebós (etutu),estamos observando com preocupação o grande número de ebós que vem sendo divulgado na mídia,acontece que um ebó pode ser positivo a vida de uma pessoa ou como é bastante comum acontecer em nada contribuir,e o pior em alguns casos até prejudicar.

A grande maioria dos ebós devem ser feitos diante da pessoa  após uma cuidadosa consulta aos orisas através do jogo de búzios,essa consulta deve seguir as orientações conforme a resposta  apresentada na consulta obedecendo o seguintes aspectos: para quem deve ser feito o ebó,quando deve ser feito,o número e o tipo de componentes,assim como o horário a ser preparado e entregue.

Normalmente um Ebó pode ser feito em vários locais como rios estradas e até mesmo no mar,a tradição indica que os elementos  que fazem parte do ebó devem  seguir a orientação do jogo podendo ser alterados alguns itens dependendo do momento e da própria pessoa a qual será administrada , assim sendo realizamos o ebó para afastar doenças, para aumentar a produção no trabalho assim como para resolvermos problemas espirituais existentes.A utilização do ebó  serve para prevenir e evitar que um mal se instale.Para  curar ou afastar o mal instalado ou para atrair as coisas boas.

O local onde o ebó será entregue também varia de acordo com as instruções dadas pelo jogo e a orientação dos orisas,que pode ser em  estradas , florestas, rios,mar,e encruzilhadas etc...
Os itens utilizados incluem água das mais variadas fontes,azeite de dendê, mel,obi, orobo,penas de pássaros,etc.

Cada um dos elementos utilizados nos etutus, possuem energia própria e é utilizado em rituais,que podem ser realizados durante o dia a luz do sol ou realizados a noite.
Assim sendo toda a consulta ao oráculo inclui a recomendação de  interdições, de um ebó especifico que, através da orientação bem como o uso da força vital afasta o mal não instalado,neutraliza o já instalado e atrai o bem.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

A mulher yoruba e o Ifá.




Autor:Babalawo Ifagbayin Agboola

A figura feminina é muito discutida ao longo da historia, houve quem as considerasse bruxas e até mesmo seres inferiores; é interessante  a  evolução do raciocínio humano,em todos os aspectos;no tocante a cultura e a religião yoruba sobre tudo em nosso país ainda é necessário muita informação.

Abordaremos um assunto no mínimo polêmico: a mulher pode  ser cultuada como antepassado de forma individual?

Então responderei aos incrédulos e desinformados com o seguinte texto.


Sango:
Certa vez decidiu realizar culto à sua mãe morta. Ele não lembrava o nome dela, pois quando ela morreu  ele era ainda um bebê. Sua mãe era filha de Elémpé, um Rei Nupe, aliado de Ò r ò nmíy ò n, que entregou-lhe  a filha como esposa, nascendo então Sango.

 Este designou dois escravos, um do povo Tapa e outro do povo Haussa, que fossem à terra Nupe oferecer uma vaca e um cavalo em sacrifício à sua mãe, e recomendou que os escravos prestassem muita atenção ao nome de sua mãe que seria citado durante o sacrifício.

 Os mensageiros foram recebidos com alegria e festejos por Elempe, avô de Sango.

 O escravo Haussa esqueceu-se da ordem recebida e durante o sacrifício, o escravo Tapa prestou atenção quando o praticante do ritual disse: "Tòròsí ìyá gbódó, estamos prestando culto oferecido por seu filho Sango".

 Assim o escravo Tapa gravou o nome Tòròsí. Retornando, o escravo Tapa foi homenageado e recompensado, enquanto que o Haussá foi punido com cento e vinte cortes de navalha espalhados por todo o corpo.

As esposas de Sango acharam as cicatrizes belíssimas  e consideraram que tais marcas deveriam ser feitas nos membros da família real, como sinal de nobreza. Sango aceitando a opinião das esposas determinou que Olówala Bàbájegbe Òs ó n e Òru viessem fazer incisões em seu corpo,mas não suportou nada além de dois cortes longitudinais feitos um em cada braço, desde os ombros até os punhos, recebendo assim o título de Ak è y ò .

Quando resolveu tomar Ò y ó - kórò enviou o escravo Haussá até o Rei O l ó y ó - kórò para que exibisse tão belas cicatrizes. O Rei e seu ministros quiseram que as cicatrizes fossem feitas neles, e chamaram Òs ó n e Òru para fazê-las. Três dias depois que as cicatrizes tinham sido feitas , enquanto o Rei e seus ministros tinham o corpo dolorido Sango atacou e venceu.

Texto retirado do livro: A mitologia dos orisas africanos

Síríkù Sàlámì


A resposta é bem clara, algumas mulheres,sim, recebem culto como antepassado de forma individual.

A mulher yoruba e o Ifá.




Autor:Babalawo Ifagbayin Agboola

A figura feminina é muito discutida ao longo da historia, houve quem as considerasse bruxas e até mesmo seres inferiores; é interessante  a  evolução do raciocínio humano,em todos os aspectos;no tocante a cultura e a religião yoruba sobre tudo em nosso país ainda é necessário muita informação.

Abordaremos um assunto no mínimo polêmico: a mulher pode  ser cultuada como antepassado de forma individual?

Então responderei aos incrédulos e desinformados com o seguinte texto.


Sango:
Certa vez decidiu realizar culto à sua mãe morta. Ele não lembrava o nome dela, pois quando ela morreu  ele era ainda um bebê. Sua mãe era filha de Elémpé, um Rei Nupe, aliado de Ò r ò nmíy ò n, que entregou-lhe  a filha como esposa, nascendo então Sango.

 Este designou dois escravos, um do povo Tapa e outro do povo Haussa, que fossem à terra Nupe oferecer uma vaca e um cavalo em sacrifício à sua mãe, e recomendou que os escravos prestassem muita atenção ao nome de sua mãe que seria citado durante o sacrifício.

 Os mensageiros foram recebidos com alegria e festejos por Elempe, avô de Sango.

 O escravo Haussa esqueceu-se da ordem recebida e durante o sacrifício, o escravo Tapa prestou atenção quando o praticante do ritual disse: "Tòròsí ìyá gbódó, estamos prestando culto oferecido por seu filho Sango".

 Assim o escravo Tapa gravou o nome Tòròsí. Retornando, o escravo Tapa foi homenageado e recompensado, enquanto que o Haussá foi punido com cento e vinte cortes de navalha espalhados por todo o corpo.

As esposas de Sango acharam as cicatrizes belíssimas  e consideraram que tais marcas deveriam ser feitas nos membros da família real, como sinal de nobreza. Sango aceitando a opinião das esposas determinou que Olówala Bàbájegbe Òs ó n e Òru viessem fazer incisões em seu corpo,mas não suportou nada além de dois cortes longitudinais feitos um em cada braço, desde os ombros até os punhos, recebendo assim o título de Ak è y ò .

Quando resolveu tomar Ò y ó - kórò enviou o escravo Haussá até o Rei O l ó y ó - kórò para que exibisse tão belas cicatrizes. O Rei e seu ministros quiseram que as cicatrizes fossem feitas neles, e chamaram Òs ó n e Òru para fazê-las. Três dias depois que as cicatrizes tinham sido feitas , enquanto o Rei e seus ministros tinham o corpo dolorido Sango atacou e venceu.

Texto retirado do livro: A mitologia dos orisas africanos

Síríkù Sàlámì


A resposta é bem clara, algumas mulheres,sim, recebem culto como antepassado de forma individual.

sábado, 23 de outubro de 2010

IFÁ,ORIXÁ FALA?






Autor: Babalawo Ifagbayin Agboola

Já faz muito tempo que eu desisti de visitar os barracões ,ver as festas as quais sou convidado,não por desconsiderar meus amigos que me convidam,mas na realidade porque quando volto à minha casa sinto um misto de tristeza e decepção ,porque em um passado não muito distante  os orisas falavam, e se comunicavam com as pessoas, deixavam recados que certamente contribuíam em  muito para a solução de nossos problemas .

O que teria acontecido com o passar dos anos ? Os orisas fecharam os olhos e ainda fecharam a boca .É natural que o orisa tenha um idioma de origem, o yoruba, mas  orisa é sabedoria  e o que  adiantaria um orisa falar somente yoruba em uma terra que se fala português?

Sempre os orisas se comunicaram com uma mistura das duas línguas para facilitar o entendimento. Por que agora deixaram de falar? Seria culpa dos sacerdotes que perderam como se faz o ritual da abertura de fala?Será  que esses novos sacerdotes já viram um tabuleiro repleto de comidas para tal ase?

Entrar em um barracão e ver um orisa de olhos fechados sendo conduzido para um lado e outro,saber que ele deixou de falar e que só vem ao mundo para dançar,me faz ficar em casa.Saber que os orisas em um passado não muito distante limpavam cozinhavam e orientavam como fazer ebós;saber que um orisa virava na rua e levava o filho para casa quando ele estava correndo algum perigo e, que nos dias de hoje ele só fica cuidando para não quebrar as plumas de sua roupa me deprimi.

Eu aprendi religião em uma casa que o orisa ia na rua buscar os cabritos do ritual,ajudava a segurar as galinhas e conversava com seus filhos por horas,com os olhos bem abertos como podemos comprovar com filmes e fotos ,coisa que ainda acontece na terra mãe.

Como sou muito jovem para me colocar como conhecedor,tento contribuir como testemunha da historia que está se transformando, e para que as pessoas não acreditem que tudo isso é fruto da minha imaginação segue anexo um texto do falecido professor Agenor Miranda,  um dos nomes mais respeitados da nação de ketu na historia moderna.

Palavras do professor Agenor:
Antigamente havia mais  humildade,mais fé e mais respeito ao orixá.Hoje não,quase só se vê vaidade e comércio.O axé está enfraquecendo.Talvez por essa razão os orixás do ketu não falem mais,em muitas casas,mas deveriam falar,se recebem o axé de fala.O erê  não fala? O próprio orixá não dá seu nome no barracão? Os santos dos antigos sempre falavam,ou em yoruba antigo ou para aqueles que não compreendessem  esta língua num português meio arrevesado. Só não falavam os orixás das pessoas que não eram feitas e que, por tanto ainda não tinham recebido o axé próprio.


Um vento sagrado: história de vida de um adivinho da tradição nagô-kêtu ... Pagina 58
 Por Muniz Sodré,Luís Filipe de Lima

IFÁ,ORIXÁ FALA?






Autor: Babalawo Ifagbayin Agboola

Já faz muito tempo que eu desisti de visitar os barracões ,ver as festas as quais sou convidado,não por desconsiderar meus amigos que me convidam,mas na realidade porque quando volto à minha casa sinto um misto de tristeza e decepção ,porque em um passado não muito distante  os orisas falavam, e se comunicavam com as pessoas, deixavam recados que certamente contribuíam em  muito para a solução de nossos problemas .

O que teria acontecido com o passar dos anos ? Os orisas fecharam os olhos e ainda fecharam a boca .É natural que o orisa tenha um idioma de origem, o yoruba, mas  orisa é sabedoria  e o que  adiantaria um orisa falar somente yoruba em uma terra que se fala português?

Sempre os orisas se comunicaram com uma mistura das duas línguas para facilitar o entendimento. Por que agora deixaram de falar? Seria culpa dos sacerdotes que perderam como se faz o ritual da abertura de fala?Será  que esses novos sacerdotes já viram um tabuleiro repleto de comidas para tal ase?

Entrar em um barracão e ver um orisa de olhos fechados sendo conduzido para um lado e outro,saber que ele deixou de falar e que só vem ao mundo para dançar,me faz ficar em casa.Saber que os orisas em um passado não muito distante limpavam cozinhavam e orientavam como fazer ebós;saber que um orisa virava na rua e levava o filho para casa quando ele estava correndo algum perigo e, que nos dias de hoje ele só fica cuidando para não quebrar as plumas de sua roupa me deprimi.

Eu aprendi religião em uma casa que o orisa ia na rua buscar os cabritos do ritual,ajudava a segurar as galinhas e conversava com seus filhos por horas,com os olhos bem abertos como podemos comprovar com filmes e fotos ,coisa que ainda acontece na terra mãe.

Como sou muito jovem para me colocar como conhecedor,tento contribuir como testemunha da historia que está se transformando, e para que as pessoas não acreditem que tudo isso é fruto da minha imaginação segue anexo um texto do falecido professor Agenor Miranda,  um dos nomes mais respeitados da nação de ketu na historia moderna.

Palavras do professor Agenor:
Antigamente havia mais  humildade,mais fé e mais respeito ao orixá.Hoje não,quase só se vê vaidade e comércio.O axé está enfraquecendo.Talvez por essa razão os orixás do ketu não falem mais,em muitas casas,mas deveriam falar,se recebem o axé de fala.O erê  não fala? O próprio orixá não dá seu nome no barracão? Os santos dos antigos sempre falavam,ou em yoruba antigo ou para aqueles que não compreendessem  esta língua num português meio arrevesado. Só não falavam os orixás das pessoas que não eram feitas e que, por tanto ainda não tinham recebido o axé próprio.


Um vento sagrado: história de vida de um adivinho da tradição nagô-kêtu ... Pagina 58
 Por Muniz Sodré,Luís Filipe de Lima

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Obì, conversando com Ifá e orixa.




Autor:Bàbàláwo Ifagbaiyin Agboola

“Combatendo a venda de apostilas”

Muito dos ensinamentos trazidos pelos yorùbás no período da escravidão foram perdidos, será que temos condições de recuperar essa riquíssima herança?

A resposta é sim, estamos diante de um momento histórico.

Podemos mudar o rumo de tudo que está acontecendo, é chegada a hora da recuperação do que foi perdido, mas para isso temos que estar dispostos, aqueles que se dizem tradicionalistas devem observar que a raiz da nossa religião está no território yoruba.

Temos que preencher as lacunas que ficaram abertas, com informações verdadeiras só assim vamos reconquistar o respeito da sociedade que observa atenta as nossas atitudes.
O Obì é só um dos temas que devemos abordar com mais abertura entre os iniciados para que não se perca mais uma vez o legado de nossos antepassados.

O Obì também serve como Oráculo e ele não têm só cinco caídas, existem mais informações do que aquelas até hoje divulgadas. Poucos sabem que no Obì existem partes masculinas e partes femininas e que podemos consultar com um e dois Obì ao mesmo tempo.


Consultando com um Obì:


- 1 masculino: boa saúde, poder masculino, também trás o insucesso, caída negativa.

-1 Feminino: o poder das mulheres traz prosperidade, mas uma manifestação negativa feminina tem o poder de bloquear a prosperidade, caída negativa.

- 1 masculino e 1 feminino: harmonia entre o sexo masculino e feminino, sucesso em qualquer negócio, ótima caída.

-2 masculinos: determinação, manifestação negativa de disputas, conflitos, brigas, caída negativa.

-2 femininos: paz, tranquilidade e relaxamento, preguiça leva ao fracasso, tomar cuidado.

 - 2 masculinos 1 feminino: sucesso após dificuldades, mas a falta de entendimento pode levar ao insucesso, cautela.

- 2 femininos e 1 masculino: vitória e sucesso podem desaparecer fazer ebó para garantir o futuro.

- Todos os quatro abertos: harmonia em todos os aspectos, uma vitória completa, as medidas devem ser tomadas para atingir o sucesso.

- Todas as quatro partes estão fechadas obstáculos, quando questionado sobre inimigos vitória.

Consultando com dois Obì:


- 8 partes abertas, ogbe méjì, sucesso, felicidade e vida longa, agradar Orunmila.

- 6 partes abertas, Ògúndá méjì, obstáculos e muito trabalho para alcançar o sucesso, agradar Ògún.

- 4 partes abertas, Oyeku méjì, doença, dificuldade e até a morte, agradar Iya mi.

- 3 parte abertas, ogbe yonu a pessoa está perdendo muito tempo, ela fala demais, agradar Orí.

- 2 partes abertas, Òkànràn méjì, caminhos de sucesso com o apoio dos antepassados, o bom comportamento vai fazer a diferença, agradar egúngún.

Obs: Nesse trabalho colocamos apenas algumas caídas da consulta com Obì, o nosso objetivo é informar que existe outras formas de consultar, mas a internet não é lugar de ensinar.

Cada pessoa deve procurar informações com o sacerdote da casa que ela foi iniciado.




Obì, conversando com Ifá e orixa.




Autor:Bàbàláwo Ifagbaiyin Agboola

“Combatendo a venda de apostilas”

Muito dos ensinamentos trazidos pelos yorùbás no período da escravidão foram perdidos, será que temos condições de recuperar essa riquíssima herança?

A resposta é sim, estamos diante de um momento histórico.

Podemos mudar o rumo de tudo que está acontecendo, é chegada a hora da recuperação do que foi perdido, mas para isso temos que estar dispostos, aqueles que se dizem tradicionalistas devem observar que a raiz da nossa religião está no território yoruba.

Temos que preencher as lacunas que ficaram abertas, com informações verdadeiras só assim vamos reconquistar o respeito da sociedade que observa atenta as nossas atitudes.
O Obì é só um dos temas que devemos abordar com mais abertura entre os iniciados para que não se perca mais uma vez o legado de nossos antepassados.

O Obì também serve como Oráculo e ele não têm só cinco caídas, existem mais informações do que aquelas até hoje divulgadas. Poucos sabem que no Obì existem partes masculinas e partes femininas e que podemos consultar com um e dois Obì ao mesmo tempo.


Consultando com um Obì:


- 1 masculino: boa saúde, poder masculino, também trás o insucesso, caída negativa.

-1 Feminino: o poder das mulheres traz prosperidade, mas uma manifestação negativa feminina tem o poder de bloquear a prosperidade, caída negativa.

- 1 masculino e 1 feminino: harmonia entre o sexo masculino e feminino, sucesso em qualquer negócio, ótima caída.

-2 masculinos: determinação, manifestação negativa de disputas, conflitos, brigas, caída negativa.

-2 femininos: paz, tranquilidade e relaxamento, preguiça leva ao fracasso, tomar cuidado.

 - 2 masculinos 1 feminino: sucesso após dificuldades, mas a falta de entendimento pode levar ao insucesso, cautela.

- 2 femininos e 1 masculino: vitória e sucesso podem desaparecer fazer ebó para garantir o futuro.

- Todos os quatro abertos: harmonia em todos os aspectos, uma vitória completa, as medidas devem ser tomadas para atingir o sucesso.

- Todas as quatro partes estão fechadas obstáculos, quando questionado sobre inimigos vitória.

Consultando com dois Obì:


- 8 partes abertas, ogbe méjì, sucesso, felicidade e vida longa, agradar Orunmila.

- 6 partes abertas, Ògúndá méjì, obstáculos e muito trabalho para alcançar o sucesso, agradar Ògún.

- 4 partes abertas, Oyeku méjì, doença, dificuldade e até a morte, agradar Iya mi.

- 3 parte abertas, ogbe yonu a pessoa está perdendo muito tempo, ela fala demais, agradar Orí.

- 2 partes abertas, Òkànràn méjì, caminhos de sucesso com o apoio dos antepassados, o bom comportamento vai fazer a diferença, agradar egúngún.

Obs: Nesse trabalho colocamos apenas algumas caídas da consulta com Obì, o nosso objetivo é informar que existe outras formas de consultar, mas a internet não é lugar de ensinar.

Cada pessoa deve procurar informações com o sacerdote da casa que ela foi iniciado.




Búzios para iniciante.




Autor:Babalawo Ifagbayin Agboola


A intenção, quando da criação desse texto chamado búzio para iniciantes, em nenhum momento foi de ensinar as pessoas como jogar;a idéia é falar sobre a dualidade e o odu.

Fato esse ignorado por muitos em nosso país.

 O ire(sorte aspecto positivo), e o ibi (aspecto negativo) de um mesmo odu deve ser extraído com muito cuidado por que só assim teremos a capacidade de interpretar a verdadeira mensagem contida no jogo.

Esse texto apresenta algumas características do ire  e do ibi constante em todos os odus. A idéia é chamar a atenção que um único odu não pode,como querem alguns, reunir todas as características positivas ou negativas existentes,como na atual  obara mania.

1-okanran    Esu,Sango

IRE- Novo caminho, oportunidade material, progresso.
 IBI- Medo, insegurança, impulsividade.

2-Eji oko    Ibeji,Iya mi

IRE-Nascimento, dualidade, inicio.
IBI-Morte,escuridão,desordem.

3-Ogunda   Ogun Osanyin

IRE-Profissão, construção,força.
IBI-Violencia,desastre,doença,brigas

4- irosun Ogun egun yemonja

IRE-Caminhos abertos, realização,ambição
IBI-Intranqüilidade ,inquietação,arrependimento.

5-Ose  Osun

IRE-Suavidade, ingenuidade , amor,riqueza,riqueza.
IBI- Ilusão, falta de foco, fofoca,curiosidade

6-Obara  Osala osoosi Sango

IRE-Sorte, paciência,habilidade,potencial.
IBI- Inveja, roubo, perda,inquietação.

7-Odi   Oloogun Ede,Osoosi, Esu

IRE-Liderança, persistência, sensibilidade
IBI- Polêmicas, problemas, brigas,traições

8- Eji Ogbe  Obatala,Ifa,yemonja,Obaluwaiye

IRE-Alegria, encanto,felicidade,grandeza,sucesso.,inicio.
IBI- Nervosismo, preguiça, altos e baixos.
9-Osa    Iya mi,Oya,Yemonja
IRE-Viagens, Espiritualidade, Família,mudança.
IBI- Falta de coragem, duvidas, depressão.

10-Ofun  Osala

IRE-Vitória, determinação, realização, paciência.
IBI- Lentidão, desânimo, fraqueza, fragilidade.

11-Owarin Oya Egungun

IRE-Pressa, poder ,  força,Otimismo,realização.
IBI- Perigo ,  acidente, ,violência.

12-Ejila (Iwori),Sango.

IRE-Emprego, dinheiro, negócios, política.
IBI- Avareza processos, loucura.

13- ika  Soponnan,iya mi,Nanã

IRE-Espiritualidade
IBI-  Perigos, doenças,feitiços,morte.

14-Oturupon  iya mi Obalwaiye

IRE- Espiritualidade,  vidência,intuição.
IBI- Doenças, fase negativa miséria.

15- Otura,(Ofun Okanran) Esu,Olookun

IRE- A capacidade de recomeçar rapidamente.
IBI- A falta de Iniciativa,desilusão,decepção.

16-Irete     Ifa,Soponnan,sociedade Ogboni.

IRE-Ligação  com a espiritualidade,o renascimento
IBI-O fracasso ,a morte.