terça-feira, 29 de março de 2011


A ética e o sacerdote no Ifá e orixa.




Autor: Babalawo Ifagbaiyin Agboola

Quando vemos uma criança apontar um coleguinha como sendo o culpado por uma de suas travessuras, já podemos imaginar como vai ser o futuro dessa pessoa se não houver a interferência dos pais.

Nas diversas áreas podemos sentir as distorções de personalidade,e a falta de caráter,de um indivíduo,que muitas vezes começa lá na infância; quando isso é notado em um sacerdote,me faz lembrar uma conhecida frase Yorubana( En ti ase loore ti ko Du pé buru ju olósa Ti ó kò ní léru ló)aquele a quem concedemos bondades que não expressa gratidão,é pior que o ladrão que rouba nossas coisas.

Quando confiamos em alguém, nossa fé, isso nos torna vulneráveis, abrimos nosso coração e expomos nossas feridas, assim como as mais profundas angústias de nossa alma e, muitas vezes, reconhecemos naquela pessoa um elo de ligação com o sonho e a esperança da realização,e isso nos conduz a conceder bondades a esse suposto confiável,amigo,e orientador.

Quando uma consulta a um sacerdote acontece,nos desnudamos e assumimos nossas falhas,e nossa real condição de impotência para lidar com o desconhecido ou com o inesperado.

Isso coloca,o então, senhor da resposta,como solução as nossas angústias e lhe concede o direito de colocar na solução,custos,mesmo que algumas coisas jamais possam ser pagas, quando de fato acontecem.

A condição de solucionador de problemas do corpo e do espírito,não é verdadeira,na realidade o sacerdote,é somente um elo de ligação,entre a solução e o problema, isso não justifica algumas vaidades exteriorizadas,quando do sucesso do tratamento,até porque a solução partiu do Orisa e não do sacerdote.

Quando analisamos do ponto de vista ético,um orientador,jamais deve afastar uma pessoa de sua religião,e sim fortalecer nela aquilo que naturalmente se desenvolveu: confiança, credibilidade e esperança; jamais tal comportamento deve unir o adepto ao emissário e sim a divindade.


Nada mais justo que por esse caminho não trafegue a ilusão, o dever de quem orienta é ajudar a sonhar e jamais iludir.

Quando buscamos em uma consulta aos Orisas,orientação, evidentemente que os interesses do sacerdote,devem ser omitidos,assim como a opinião pessoal do mesmo.

Tal fato transfere a responsabilidade ao Orisa que orientou,mas em nenhum momento isenta o sacerdote da interpretação.

Acredito de fato que quando alguma coisa deixa de acontecer é um erro de interpretação e nunca um equivoco divino.

Assumir tais erros,é um ato de coragem,e sem dúvida, é uma questão ética, considerando o fato que, além dos interesses envolvidos,houve uma expectativa gerada,nada mais justo que um resultado positivo seja sentido, e a resposta aos questionamentos venha como solução ao problema.
Assumir responsabilidades é um atributo de quem oferece soluções.

6 comentários:

  1. Excelente texto!!!
    De uma sabedoria imensa.
    Parabéns!!!
    Orixá te guarde!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns... leia meu artigo sobre ética e orixás um abraço http://sersaberblog.blogspot.com/2010/11/etica-na-divinizacao-dos-orissas.html

    ResponderExcluir
  3. "Venho do Rio de Janeiro,conheci São Paulo, Curitiba, Baia, e atualmente moro em Brasilia.
    conheci muitos Babalorixas e alguns Babalawos, e afirmo com muita certeza que raros são como voce Bàbàláwo Ifágbaíyin.
    peço a olodumare e orumila que deem muitos e muitos anos de vida e lucidez a este homen, pois muito podera ele fazer pelo seu semelhante".

    awofakanogbeka

    ResponderExcluir
  4. muuuito interessante! Virgínia

    ResponderExcluir
  5. tonny de oliveira9 de abril de 2011 09:21

    adorei o texto,pois ele realmente é de grande valia,pois muitos não sabem o q venha a ser a humildade,caridade e conhesimento assim como ao seu ,parabens

    ResponderExcluir

Intolerância Religiosa.

Intolerância Religiosa. Na década de oitenta eu fui entrevistado por uma emissora de TV na cidade de Buenos Aires, Argentina por ...