quarta-feira, 6 de setembro de 2017

O Ifá no Brasil (2º parte)

O Ifá no Brasil


(2º parte)

Autor: Olúwo Ifagbaiyin Agboola

Nessa segunda parte da reflexão o foco principal não é o brilhante trabalho de um seleto grupo de Bàbáláwos que visitaram o Brasil nos últimos anos.

Esse trabalho tenta mostrar como forma de alerta a influência negativa de supostos sacerdotes nigerianos na imagem do Ifá no Brasil e no mundo.

Nos surpreende a falta de fiscalização do governo nigeriano e do conselho mundial de Ifá sobre os fatos que vem acontecendo envolvendo Bàbáláwos yorubanos e o comercio de assentamentos de òrìsàs.

Deve haver uma forma do conselho mundial trabalhar junto as autoridades daquele pais para que providencias sejam tomadas considerando o prejuízo ao patrimônio da humanidade.

Se as autoridades nigerianas não tomarem uma atitude a Unesco deve ser responsabilizada, pois após a proclamação no ano de 2006 que o Ifá faz parte do patrimônio da humanidade a preservação do mesmo deve ser uma prioridade.

Os marginais que comercializam o sagrado recebem por seus trabalhos através do Wester Union o que pode auxiliar na identificação dos responsáveis pelos delitos.

 Eles não escondem suas atividades na rede social, o crime não é só contra o patrimônio da humanidade, mas também é contra o patrimônio histórico considerando que inclusive obras de arte estão sendo contrabandeadas por essas pessoas.

Embora um estudo da ONU identifique a Nigéria como sendo o país mais corrupto do mundo, isso não justifica esse tipo de comportamento por se tratar de pessoas que tem uma certa ligação com a religião tradicional.

 Eu não sei como é feito esse estudo sobre a corrupção, mas o Brasil não deve estar muito longe da colocação da Nigéria no ranking.

Alguns raciocínios são lógicos e não é difícil identificar que só existe corruptos porque existem corruptores, mas isso não explica a situação.

O que causa surpresa é que homens que deveriam dar exemplos como religiosos são justamente aqueles que comercializam o conhecimento sagrado de seus antepassados.

 Infelizmente o número de sacerdotes de Ifá confiáveis que chegou ao Brasil é bastante reduzido e a predominância do aspecto negativo amplamente divulgado pela influência nigeriana na divulgação do ifá no novo mundo é amplificada pela tecnologia e as redes sociais.


0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial